Paladar

A cerveja do príncipe

11 março 2009 | 12:05 por Roberto Fonseca

O príncipe aprecia uma ale inglesa

Sabe por que o príncipe Charles, que chega hoje ao Brasil, não atendeu ao “convite” para dar as caras no Boteco Bohemia em 2008, mesmo com abaixo-assinado e aquele monte de propagandas televisivas? Além do óbvio “ele tinha mais o que fazer” (e também de outras respostas absurdas e impublicáveis, mas bastante divertidas), há um outro motivo que talvez vocês não saibam: ele tem a sua própria cerveja (que também é vendida para plebeus, mas só na Inglaterra rs).

A nobre bebida em questão faz parte do selo Duchy Originals, uma linha de produtos desenvolvida pela Duchy Home Farm (ou Fazenda do Ducado), ligada à família real inglesa. Em 1992, o local deu início à comercialização de itens alimentícios, com biscoitos de aveia. Alguns anos antes, o príncipe Charles havia decidido tornar a produção da fazenda totalmente orgânica. Embora a ideia e os ingredientes venham, em grande parte, da propriedade real, as duas ales (receitas de alta fermentação) da marca são produzidas em uma cervejaria ali perto, a Wychwood.

A Duchy tem uma cerveja “de trabalho”, a Organic Ale, com 5% de teor alcoólico. A mais famosa, porém, é a Select Ale, que tem como destaque a adição de centeio e aveia orgânicos em sua receita – outra meta do príncipe, que é buscar diferentes ingredientes para a bebida -, além de um teor alcoólico mais elevado, de 6,2%. Ela foi escolhida pela revista Beers of the World como melhor representante da categoria Pale Ale padrão (com centeio). Não a provei ainda, mas, como já tinha escrito no post anterior, tive algumas ressalvas em relação às campeãs de outras categorias escolhidas pela revista.

As cervejas da Duchy Originals

Além de defender o uso de ingredientes orgânicos e de fazendas locais, o príncipe usa na cerveja um tipo de cevada que estava quase caindo no esquecimento na Inglaterra, chamado Plummage Archer. Foi a primeira variante do cereal a ser produzida especificamente para virar malte na Inglaterra, no começo do século passado.

Sem tantas propagandas, abaixo-assinados ou convites para uma mesa de boteco, a coluna tentou falar com o príncipe sobre suas cervejas, mas não teve sucesso. Uma pena, porque é uma faceta da política ambiental dele que é pouco conhecida e deve “passar batida” durante a visita de Mr. Charles ao Brasil para falar de meio ambiente. Acho que vou lançar uma campanha: “Príncipe Charles, vamos tomar umas ales por aí: as suas!” Hhehehehehe…

Ficou com água na boca?