Paladar

Brasil Brau: tanta cerveja, tanta “crueldade” (hehehehe)

15 abril 2009 | 23:05 por Roberto Fonseca

.Logo Brasil Brau

Já pensou em trabalhar na indústria de bebidas? Eis aqui um bom motivo para pensar no assunto até junho (hehehehe). Começo este post com uma dúvida: serei trucidado (ou pior, processado) primeiro pelos leitores deste humilde blog por propaganda “enganosa” ou por tratar os degustadores com requintes de crueldade? Explico: a Brasil Brau 2009, feira que ocorre de 23 a 25 de junho no centro de exposições do Shopping Frei Caneca, terá ainda mais cervejarias expondo (e servindo) seus produtos do que a edição de 2007, o que é a notícia boa. A ruim, porém, é que só profissionais do setor podem entrar. Bem que poderiam pensar em fazer a parte “degustatória” aberta ao sedento público que aprecia boas cervejas. De qualquer forma, está lançada a ideia.

Para dar ao menos o “gostinho” ao leitor, segue abaixo uma lista dos prováveis participantes. Acrescentei alguns comentários sobre as produções de cada um. Em alguns casos, porém, não conheço as crias das micros, e agradeço informações que possam enriquecer o post. Se serve como consolo, boa parte das cervejas pode ser degustada fora do evento (rsrsrs).

Acerva-MG: Associação de cervejeiros caseiros de Minas Gerais. Não sou lá muito versado nas produções dos caras, mas confio na qualidade, por ter conhecido os “pais” da Três Coroas. Entre os 36 associados, há ainda “equipes” cervejeiras como Gerais, Chernobier, La Roche Sarsgaard, Hércule, Apache, CCJ, LouzadaFontes, KüdBier, Esse Bier, A Nossa, Furst Beer e Ave César, informa o presidente da Acerva, Henrique Pires.

Acerva-RJ: Associação carioca. Deve ter à disposição crias de cervejeiros caseiros já famosos no setor, como Leonardo Botto, Mauro Nogueira e Ricardo Rosa. Fizeram sucesso na Brasil Brau de 2007.

Acerva-RS: Cervejeiros caseiros gaúchos. Provei uma das produções – uma Extra Special Bitter – em um evento de Porto Alegre, antes do feriado, e gostei. Torço para vir alguma produção da BSG, cujo lema é “a vida é amarga, nossas cervejas mais ainda!”

Abadessa: Boa microcervejaria de Pareci Novo (RS), tem uma pílsen, uma dortmunder, uma helles e outras sazonais, no estilo alemão.

Artesamalt: Micro mineira, produz chope pilsen com receita elaborada pelo mesttre-cervejeiro Evandro Zanini.

Áustria Bier: Outra micro de Minas Gerais, que pode ser encontrada em garrafas de vez em quando aqui em São Paulo.

Backer: Mais uma de Minas, uai! Destaque para a Pale Ale, que foi reformulada pelo mestre-cervejeiro Paulo Schiavetto e ganhou bastante em qualidade.

Bamberg: Micro de Votorantim (SP). Na Brasil Brau de 2007, levou chope de trigo considerado um dos melhores do País. Destaque também para a pilsen.

Barley: Micro de Capela de Santana (RS). Possui uma pilsen suave e uma amber sazonal.

Bierland: Fábrica de Blumenau, que também tem uma cerveja de trigo destacada. Ainda merece destaque a bock produzida por eles. Torça para que refaçam a Pale Ale de 2007, que ficou bem interessante.

Borck: Micro de Timbó (SC). Tem uma pilsen suave e uma malzbier.

Brusk: Micro mineira.

Chopp Ijuhy: Da terra do técnico da seleção brasileira, Dunga, Produz um pilsen suave.

Chopp Ilhéu: Micro de Florianópolis. Também produz uma pilsen suave, mas tem aberto espaço a cervejas como a porter Moçambique, elaborada por cervejeiros caseiros, e a cerveja de trigo da Coruja (RS).

Colorado: De Ribeirão Preto, tem a excelente Indica, uma india pale ale que leva rapadura, e a Demoiselle, porter que contém café na receita.

Coruja: Micro que produz em Teutônia (RS) a Coruja, uma lager suave, e a Extra-viva, lager mais alcoólica com bom aroma de malte, além de uma boa cerveja de trigo.

Das Bier: De Gaspar (SC), tem como destaque a Braunes Ale, cerveja escura com bom aroma de malte e chocolate.

Eikbier: Recém-inaugurada produção de Taboão da Serra, tem quatro estilos: Golden Ale, Weissbier, Red Ale e Porter.

Eisenbahn: A mais famosa micro brasileira, que foi comprada pela Schincariol. Entre os 14 estilos, destaques para a dunkel, a weizenbock e a ‘5’, uma vienna bem lupulada.

Falke Bier: Mineira de Ribeirão das Neves. Tem uma boa india pale ale, a Estrada Real, e a excelente Monasterium, que segue o estilo tripel belga.

Fraga: Cervejeiro caseiro do Rio de Janeiro, Sérgio Fraga se inicia como microcervejeiro. Vale conferir.

Gato Pardo: Projeto da mestre-cervejeira Kátia Jorge no Rio de Janeiro, destaque para a cerveja de estilo belga.

Opa Bier: De Joinville, produz uma pilsen suave.

Saint Bier: Outra catarinense com uma pilsen suave.

Schmitt: Mini-micro de Porto Alegre, tem como grande destaque a Barley Wine.

Süd Brau: Micro de Bento Gonçalves (RS), produz cervejas corretas. Destaque para a porte.

Trovense: Micro mineira.

Wäls: Cervejaria mineira, que tem como destaques a Pilsen (bem ao estilo tcheco, com bom lúpulo e amargor) e a Dubbel (da escola belga, com bom frutado).

Wunderbier: Cervejaria mais nova de Blumenau. Não tomei, mas pelo que colhi de informações, o carro-chefe é uma pilsen suave

Ficou com água na boca?