Paladar

Caras novas na capital

11 dezembro 2011 | 18:43 por Roberto Fonseca

Britannica Oatmeal Stout (Brasil, chope)

Produtor: Cervejaria Britannica, de Valinhos (SP)

Preço: R$ 4,50 o copo garotinho no bar Titus, na Bela Vista

Estilo: Ale / Oatmeal Stout

Teor alc.: 4,4%

Cor: preto sólido, translucidez zero

Espuma: bege escura, média formação e média a baixa duração

Aroma: chocolate, malte torrado, café

Sabor: Malte torrado, café, chocolate, leve acidez do malte torrado; cremosa, leve nota de esmalte. Corpo médio mas denso, amargor baixo, final adocicado (malte caramelo), seco e torrado moderados, carbonatação média a alta

Nota 3,7 em 5Boa stout, com notas interessantes de chocolate e malte torrado. Aveia dá cremosidade e densidade ao corpo da cerveja, que do contrário seria médio a baixo. Mais fiel do trio ao estilo.

______________________________

Britannica India Pale Ale (Brasil, chope)

Preço: R$ 4,50 o copo garotinho no mesmo bar

Tipo: India Pale Ale (provavelmente da vertente inglesa)

Teor alc.: 6,1%

Cor: castanho avermelhada, translucidez baixa

Espuma: cor de pérola, média a alta formação e duração

Aroma: malte caramelo, tostado, leve torrado; perto da temperatura ambiente, surgem notas muito sutis de lúpulo

Sabor: Malte caramelo inicial, depois notas de lúpulo herbais/amadeiradas; final seco e de malte tostado. Corpo médio a alto, álcool bem presente, gera calor moderado na boca, amargor médio para o estilo, carbonatação média a alta.

Nota3,5 em 5Boa IPA, honesta, com bom amargor e final seco. Mas falta lúpulo mais presente no aroma, dominado pelo malte caramelo.

__________________________________

Britannica Pale Ale (Brasil, chope)

Preço: R$ 7,50 o half pint no mesmo bar

Estilo: Pale Ale

Teor alc.: 4,2%

Cor: dourado escuro, translucidez baixa

Espuma: branca, média a alta formação e duração, forma laço no copo

Aroma: Malte, diacetil, adocicado

Sabor: Malte, leve acidez, leve oxidação metálica, malte tostado suave. Final seco moderado e de malte, amargor médio, corpo médio a baixo (nota alcoólica, com pouco corpo, acaba saindo um pouco do equilíbrio e incomodando na boca); carbonatação média a baixa.

Nota 2,2 em 5A mais fraca do grupo. Faltam malte e lúpulo (poderiam pelo menos colocar mais lúpulos aromáticos). Possivelmente desenhada para ser a “cerveja de trabalho” da marca e não assustar consumidores de industriais. Mas ficou sem personalidade. Também apresentava diacetil, o que não é esperado.

____________________________________

Aproveitando o domingo sonolento pré-plantão, resolvi conhecer duas novidades na capital: o bar Titus, na Bela Vista (fica na Rua Rocha, 370, um pouco acima da Vai-Vai) e os chopes da Britannica, microcervejaria aberta há alguns meses na cidade de Valinhos e especializada em estilos ingleses da nobre fermentada. O Titus, segundo o guia Divirta-se, é o primeiro ponto de venda da marca na cidade de São Paulo. Os chopes são servidos em três tamanhos: garotinho (R$ 4,50), half pint (R$ 7,50) e pint (R$ 14). Há, ainda, carta com 33 cervejas de vários países. Embora fique num local de pouco movimento (há, por ali, apenas um boteco), pareceu simpático – provei, além dos chopes, uma porção generosa de bruschettas de abobrinha.

Mas voltando à Britannica, o balanço geral foi de que a marca tem uma “cerveja de trabalho”, a pale ale, que ousa pouco e deve atender ao consumidor de marcas industriais, e duas receitas em que tenta se diferenciar um pouco mais (mas não muito) em termos de estilo, a india pale ale e a oatmeal stout. Vale a degustação destas duas últimas.

A cervejaria de Valinhos informa, em seu site, que trabalha (ou pretende trabalhar) com casks em alguns pontos de venda. Trata-se de uma forma de acondicionamento das receitas em que o líquido é extraído por meio de uma bomba de mão, sem auxílio de gás carbônico ou nitrogênio, como ocorre em chopeiras. No processo, há contato das receitas com oxigênio, e elas vão mudando de característica com o passar do tempo. Apresentam bem menos carbonatação e espuma do que um chope como o conhecemos no Brasil. As cask ales foram a base para a Campaign for the Real Ale (Camra), movimento inglês para ressuscitar o prestígio das receitas locais, que estava em baixa nas últimas décadas. Espero que a Britannica coloque a experiência – inédita – em prática na capital em breve.

Tags:

Ficou com água na boca?