Paladar

Casamentos à mesa

02 agosto 2012 | 16:00 por Roberto Fonseca

(O preço sugerido do livro é R$ 99. Imagem: Reprodução)

Se as cervejas com aromas e sabores diferentes – e mais complexos – do que a “loura gelada” já ganharam espaço considerável no copo do consumidor brasileiro, seu caminho até a mesa de almoços e jantares mais elaborados, em harmonia com os pratos servidos, ocorre aos poucos. Por isso, é uma boa notícia constatar que a ainda tímida bibliografia cervejeira em português ganha um reforço de peso.

Considerada a “Bíblia” da harmonização de cervejas, A Mesa do Mestre-Cervejeiro, de Garrett Oliver – responsável pelas fermentadas da nova-iorquina Brooklyn e referência em combinações de pratos com a bebida – é completa e fácil de entender.

O mestre-cervejeiro, porém, alerta que não há receita fácil: “Você vai ter de cozinhar, comprar ou encomendar boas refeições – a cerveja tradicional não vai fazer de um Big Mac um banquete. Mas é capaz de transformar um simples frango assado em uma refeição espetacular”. As combinações sugeridas vão da pilsen autêntica – e não lagers industriais – com pratos picantes e frutos do mar até a gueuze, cerveja ácida belga, com ceviche.

Criatividade e feijoada

À obra, porém, cabem algumas ressalvas. Uma delas é que a localização das sugestões de harmonização está em texto corrido, e poderia ser simplificada em uma tabela. Oliver afirmou, em entrevista por e-mail, que o plano original era encartar na obra um livreto que as pessoas pudessem levar consigo na hora de fazer compras. “Mas então achamos que as pessoas poderiam simplesmente pegar o livreto e deixar o livro de lado. E a ideia é o leitor gastar um pouco de tempo pensando nas harmonizações, sem ‘atalhos’.”

Da mesma forma, o livro, de 2003, não contempla algumas “tendências” cervejeiras mais novas, como as india black ales. O mestre-cervejeiro afirma que “os princípios da harmonização não mudam”. “Se você entender o caráter de lúpulo e frutado da IPA e as notas de caramelo e tostadas de uma schwarzbier, você pode mentalmente combiná-los para saber como harmonizar a chamada ‘Black IPA’”, afirmou.

“Acho que esse tipo de cerveja vai bem com feijoada, já que as notas tostadas combinam com as carnes grelhadas e os feijões, e o amargor tem o nível exato de ‘corte’ da gordura do prato.”

Tags:

Ficou com água na boca?