Paladar

Melhores de 2012, parte 100: João Becker

09 fevereiro 2013 | 21:00 por Roberto Fonseca

Foto: Arquivo pessoal

Cervejeiro da Colorado e homebrewer, em Ribeirão Preto (SP):

1) MELHOR ALE NACIONAL

Invicta India Black Ale. O estilo black IPA sempre chamou muito a minha atenção. Tanto que sempre que volto a Belo Horizonte, saio procurando onde tomar um Küd Bier Blackbird. Aqui em Ribeirão, sempre que posso, corro atrás dessa cerveja da Invicta. Cada copo me surpreende, no ótimo balanço entre corpo, amargor, álcool e tostado.

2) MELHOR LAGER NACIONAL

Chope Wäls Bohemian Pilsner. Se bebido no Stadt Jever, pub alemão tradicional de BH, melhor ainda. Sou fã incondicional dessa cerveja.

3) MELHOR ALE IMPORTADA

Duvel. A original. Simples, equilibrada e deliciosa. Até me arrisco a dizer que o transporte faz bem a ela.

4) MELHOR LAGER IMPORTADA

Samuel Adams Boston Lager. É aquela que chamo de “cerveja do dia-a-dia”. Além de ter um excelente custo/benefício e chegar em boas condições aqui no Brasil…

5) MELHOR CHOPE

Colorado Cauim. Mais do que a cerveja em si, são os momentos que fazem toda a diferença. E, apesar de a Indica ser minha Colorado preferida, a Cauim é a cerveja que eu bebo com mais frequência quando estou de folga, relaxando e curtindo entre amigos. Ela tem um excelente equilíbrio e, aqui em Ribeirão Preto, encontro sempre fresquíssima, seja no Cervejarium ou no Vila Dionísio.

6) MELHOR BAR CERVEJEIRO

Vila Dionísio de Ribeirão Preto. É o quintal de casa. A maior representação de um pub que já vi no País. São 14 cervejas na pressão, mais de 200 rótulos no cardápio, além de um intenso treinamento da brigada e uma grande preocupação com o serviço. Alguns dos sócios são homebrewers e já acompanhei brassagens conjuntas com toda a brigada. Somente rock e blues ao vivo todos os dias, o que completa a experiência.

7) MELHOR CERVEJA CASEIRA

Smedgard Mordor, dos meus amigos Daniel Draghenvaard e Rodrigo “Dino” Parisi. Uma double imperial stout com 13%, capaz de fazer trovejar, literalmente. Sou muito fã das receitas da Smedgard, a “cervejaria” mais destemida do País. Sem contar que ainda aprendo muito até hoje com eles, seja com as cervejas, seja com o hidromel.

8) MELHOR CERVEJA DO ANO, AQUI OU LÁ FORA

Chope Chouffe Houblon. Como disse anteriormente, o que mais faz a diferença é o momento. No Brasil, essa cerveja já chega castigada, não ficando nem perto das características originais. Pude tomar o chope dela, fresco, tirado por um sommelier da Moortgat, dentro do bar da fábrica. É outra experiência, uma cerveja excelente. Marcou bastante.

9) RÓTULO MAIS BONITO DO ANO

Colorado Berthô. Sou suspeito pra falar de tudo que envolve a Colorado, mas os rótulos são verdadeiras obras de arte. E o da Berthô ficou fantástico. Ponto mais uma vez pro Randy Mosher.

10) NOVIDADE DO ANO

O que os meus amigos mineiros estão fazendo pela cervejaria artesanal. Às vezes não concordo com algumas ações da ACervA Mineira (mania de ex-associado), mas tenho que tirar o chapéu para o trabalho deles, como a aprovação de lei no município de Nova Lima que libera a fabricação de cerveja em casa. E também a criação da Inconfidentes – Cervejarias Conjuradas, um excelente modelo de negócio que vai servir de referência aos caseiros que queiram se tornar comerciais. Que a Força esteja com os mineiros.

11) MELHOR FATO CERVEJEIRO

Entre tantos falados, eu escolho o do crescimento do número e da qualidade dos eventos cervejeiros hoje no País. Temos eventos novos aparecendo e a consolidação de outros mais antigos, como o Festival Brasileiro da Cerveja e o Festival Nacional das ACervAs. É divulgando a cultura cervejeira, de maneira orientada e informativa, que vamos fazer crescer nossa participação no mercado.

12) PIOR FATO CERVEJEIRO

Para nós cervejeiros do Estado de São Paulo é quase um parto conseguir aprovação das nossas novas cervejas, sejam elas com ingredientes inusitados ou não. Dificilmente se consegue qualquer registro com menos de um ano de espera, e o tempo médio é muito maior que isso. Claro, se aprovado. Levanto ainda a questão dos impostos. É realmente massacrante o que as pequenas cervejarias estão sujeitas em termos de tributação.

Tags:

Ficou com água na boca?