Paladar

Melhores de 2012, parte 41: Ronaldo Morado

21 janeiro 2013 | 09:00 por Roberto Fonseca

Foto: Arquivo pessoal

Ronaldo Morado, autor da Larousse da Cerveja, de Minas Gerais:

1) MELHOR ALE NACIONAL

Wäls Tripel. Respeito muito essa cervejaria como um dos expoentes da nascente cultura cervejeira nacional. Pelo conjunto da obra, com três entre as dez melhores ales nacionais (Petroleum, Brut), não tenho duvidas de escolher a tripel como a estrela da companhia. São aromas, sabores e sensações que espero de uma boa cerveja.

2) MELHOR LAGER NACIONAL

Eisenbahn 10 Anos. Fiquei feliz com a demonstração de respeito às tradições cervejeiras dos estilos e à reverencia pelo DNA da Eisenbahn. Uma doppelbock autêntica e elegante, sem exageros, sem extravagâncias.

3) MELHOR ALE IMPORTADA

Brooklyn Monster Ale. Sou fã do estilo barley wine e essa cerveja é uma referência para o meu paladar. Uma explosão de sensações: é maltada e aromática, mas perfeitamente equilibrada. O amargo contrasta com o final doce, mas seco. Apesar de muito alcoólica, engana; é discreta.

4) MELHOR LAGER IMPORTADA

Pilsner Urquell. A original; o resto corre atrás. Reverência.

5) MELHOR CHOPE

Colorado Índica. A velha polêmica – chope ou cerveja – renderia longas e ótimas discussões. Como bom mineiro, não fujo de uma. Acho o chope – sempre – muito melhor que a cerveja e, nesse caso, não evito a polêmica. Me desculpem os que não tiveram oportunidade de degustar um chope Índica, mas desejo a todos essa oportunidade.

6) MELHOR BAR CERVEJEIRO

Bar Brejas e Empório Alto dos Pinheiros. Meu caro Bob, nesse caso é impossível escolher só um. Mas, como estão em cidades diferentes, não vejo conflitos. São obrigatórios.

7) MELHOR CERVEJA CASEIRA

Não respondida.

8) MELHOR CERVEJA DO ANO, AQUI OU LÁ FORA

Vixnu, da Cervejaria Colorado. Não estou sozinho, já que essa maravilha arrebatou 3 medalhas de ouro na Copa Cervezas De America 2012. Lupulada, cremosa, aroma de maracujá e sabor amargo equilibradíssimo. Sem vergonha de ser brasileira, a Colorado continua inovando.

9) RÓTULO MAIS BONITO DO ANO

Eisenbahn 10 Anos. Juliano Mendes deve estar orgulhoso; eu estaria. Design, cores, elegância, apresentação. Uma cerveja digna de seu pedigree e demonstra a reverência da nova proprietária da marca a seus criadores. Para completar, excelente conteúdo; parabéns.

10) NOVIDADE DO ANO

Minas Gerais é terra de poetas, cervejeiros e inconfidentes. Não é surpresa que ali tenha nascido a primeira cervejaria cooperativa do Brasil – a Cervejaria Inconfidentes, união das caseiras Vinil, Jambreiro e Grimor. Simbolismos à parte, exemplo a ser seguido.

11) MELHOR FATO CERVEJEIRO

A passagem do Garrett Oliver, da Brooklyn, pelo Brasil, não foi apenas mais uma visita de uma personalidade do mundo cervejeiro. Sua disposição em participar da brassagem conjunta na Cervejaria Wäls, em Belo Horizonte, foi marcante. Ainda não sei o resultado da “Saison de Caipira” usando caldo de cana, mas revelou duas facetas importantes : a humildade do personagem e a maturidade do Brasil no cenário cervejeiro mundial.

12) PIOR FATO CERVEJEIRO

A demora em criar a Associação dos Microcervejeiros Brasileiros, a exemplo da Brewers Association americana. Não foi o pior fato cervejeiro, mas continua sendo o maior “entrave” ao avanço da boa cultura cervejeira no país. A maioria dos problemas citados (governo, impostos, incentivo etc.) será melhor enfrentada quando isso acontecer.

Tags:

Ficou com água na boca?