Paladar

Melhores de 2012, parte 61: Eli Jr.

27 janeiro 2013 | 21:00 por Roberto Fonseca

Foto: Arquivo pessoal

Eli Bernardino Coelho Jr., sócio da Academia da Cerveja, em Florianópolis (SC):

1) MELHOR ALE NACIONAL

Colorado Indica. Não mudei meu voto em relação ao ano passado. Uma bela IPA, que consegue agradar muito quem é novo neste universo cervejeiro, assim como não deve em nada pra quem já é apreciador.

2) MELHOR LAGER NACIONAL

Eisenbahn 5. Lembro na festa de cinco anos da Eisenbahn como eu me surpreendi com esta cerveja, e ela continua sendo extremamente saborosa, bem dosada no lúpulo.Também repito o voto do ano passado.

3) MELHOR ALE IMPORTADA

Chouffe Houblon. Belga com essa carga de lúpulo? Foi uma grata surpresa que tardei a experimentar.

4) MELHOR LAGER IMPORTADA

Brooklyn Lager. Difícil não gostar desta cerveja. Além de ser uma das importadas mais vendidas aqui na Academia da Cerveja, “mata a sede” com um excelente drinkability.

5) MELHOR CHOPE

O melhor chope é aquele a que sempre volto. Experimento vários, de excelente qualidade, mas onde tem eu sempre peço: Eisenbahn Pale Ale.

6) MELHOR BAR CERVEJEIRO

Não tem como não puxar a sardinha pro meu lado: Academia da Cerveja. Três anos e meio trabalhando somente com cervejas especiais. Trocamos de endereço recentemente, saindo de um bairro universitário e vindo pro coração da cidade, no Centro de Florianópolis. Incentivamos a cultura cervejeira de qualidade, temos uma brigada treinada e conhecedora das cervejas, que dá excelência no atendimento.

7) MELHOR CERVEJA CASEIRA

Bruxa Imperial Stout. Mesmo as cervejas escuras não sendo da minha preferência, esta foi uma das melhores experimentadas por mim no ano que passou. Ronaldo Dutra e Rodrigo Tasca são extremamente dedicados, competentes e cuidadosos com as cervejas que produzem.

8) MELHOR CERVEJA DO ANO, AQUI OU LÁ FORA

Sierra Nevada Pale Ale. Todos os amigos que viajam já sabem o que trazer na mala pra mim. Thanks.

9) RÓTULO MAIS BONITO DO ANO

Eisenbahn 10 anos. Sem sombra de dúvida. Pena que não sabemos se ela se tornará fixa na linha deles. Uma pena se isso não acontecer.

10) NOVIDADE DO ANO

Creio que as parcerias que a Wäls tem feito, com a DUM e com a Brooklyn, apontem para um caminho interessante, que dá certo. O MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) estar disposto a ouvir os produtores também é uma novidade boa.

11) MELHOR FATO CERVEJEIRO

A evolução das pessoas em busca de sabores diferentes. Antes, os clientes queriam sempre as cervejas mais próximas do que já conheciam, as mais “leves”. No início dos tempos do bar, era muito comum ficar explicando sobre as cervejas. Hoje tem acontecido o contrário, os clientes já chegam pedindo determinados estilos. Pra mim, isso reflete o crescimento deste meio não só em números, mas também na abertura da mente daqueles leigos no assunto em experimentar o novo.

12) PIOR FATO CERVEJEIRO

A dificuldade em se manter uma carta de cerveja. Importadores começam trazendo um produto e não dão continuidade. A solução encontrada na Academia da Cerveja com os gastos na reimpressão de cardápios foi fazê-los em tablets, diminuindo os gastos de impressão de “tirar” a cerveja do cardápio quando acaba ou é descontinuadas.

Tags: