Paladar

Melhores de 2012, parte 66: Diego Baião

29 janeiro 2013 | 14:30 por Roberto Fonseca

Foto: Arquivo pessoal

Sócio do Boteco Colarinho, no Rio de Janeiro (RJ):

1) MELHOR ALE NACIONAL

Wäls Petroleum. Uma imperial stout que mudou o patamar brasileiro para o estilo.

2) MELHOR LAGER NACIONAL

Bamberg Helles. Uma dica: Em Mass é melhor.

3) MELHOR ALE IMPORTADA

Única vez que vou quebrar a regra (de só votar em uma cerveja por item): De Molen Op & Top e De Molen Vuur & Vlam. Com um motivo: as 2 são quase complementares. Sempre que as bebo, começo pela Op & Top, que é uma bitter super aromática, e depois vou pra Vuur & Vlam, uma potente american IPA, mas com uma vantagem em relação às receitas das cervejarias da escola americana: é refermentada  na garrafa. Então isso faz ela viajar melhor.

4) MELHOR LAGER IMPORTADA

Pilsner Urquell. Essa ai é ponto fora da curva. Viajando o mundo todo, chega aqui boa. Tenho o sonho de bebê-la na fonte.

5) MELHOR CHOPE

Colorado Ithaca. O que seria melhor que a melhor ale nacional do ano passado? A melhor ale nacional servida em chope, fresquinha e feita com fermento liquido.

6) MELHOR BAR CERVEJEIRO

Biermarkt Vom Fass. Bar pensado desde o inicio em como beber cerveja: 20 chopes (diferentes do outro Biermarkt), extraídas direto da câmara fria; carta de cervejas curta, mas excelente; até a luz foi pensada para haver um spot em cima de cada mesa, permitindo ao cliente ver o que está bebendo. Estão me dando uma aula para o novo projeto que estou fazendo.

7) MELHOR CERVEJA CASEIRA

Estripulias do Felipe, feita pela Duda e pelo Ricardo Rosa. Casal abençoado pelos Deuses cervejeiros.

8) MELHOR CERVEJA DO ANO, AQUI OU LÁ FORA

Firestone Walker XV Anniversary. O Matt Brynildson é um extraterrestre. O processo dessa cerveja já é um show à parte: 16 pessoas são convidadas a beber cervejas envelhecidas em barris na Firestone. Cada dupla “blenda” a sua cerveja. São preparadas as amostras de cada dupla e, às cegas, todos dão as notas. No final, a vencedora é lançada.

9) RÓTULO MAIS BONITO DO ANO

Coruja Viva e Extra Viva. Desde a garrafa, tampinha, serigrafia, informações bastante completas no contra rótulo.

10) NOVIDADE DO ANO

O Garrett Oliver ter vindo ao Brasil para um evento da revista Prazeres da Mesa e a Wäls tê-lo convidado para fazer uma cerveja colaborativa. A Wäls mandou muito bem em ter feito o convite e coberto toda a visita do mestre Garrett.

11) MELHOR FATO CERVEJEIRO

Finalmente o mapa ter estendido a mão para mudanças nas regras do que é cerveja e sua fabricação. Não sei de quem partiu a iniciativa e/ou se ela vai ser aprovada, mas já a considero um grande avanço.

12) PIOR FATO CERVEJEIRO

O fato de não termos regras claras sobre brewpubs. Aqui no Rio não existe essa atividade na lista de possibilidades de pedido de alvará. Só existem dois itens que envolvem produção de cerveja, e em ambos consideram-se apenas indústrias. Eu acredito que esse vai ser o caminho da multiplicação das microcervejarias no Brasil. Nos EUA, 50% das 2 mil cervejarias são, na verdade, brewpubs.

Tags:

Ficou com água na boca?