Paladar

OS MELHORES DE 2009, parte 33

01 fevereiro 2010 | 23:23 por Roberto Fonseca

O cervejeiro caseiro Mauro Nogueira. Foto: Arquivo Pessoal

Fechando a série de convidados para indicarem os melhores de 2009, o cervejeiro caseiro Mauro Nogueira, do Rio de Janeiro, aponta as suas favoritas. Confira:

1) A ‘top das tops’ de 2009
A cerveja mais surpreendente que experimentei em 2009 foi uma Harviestoun – Ola Dubh, que o Ricardo (Rosa, Cervejarte) trouxe de fora. Escura, de alto teor alcoólico, maturada em barris de carvalho, é feita em 3 versões: 12, 16 e 30. O número no rótulo pode sugerir o teor alcoólico ou mesmo, numa leitura rápida, o tempo de envelhecimento da cerveja. Mas eles se referem ao tipo de barril de carvalho em que ela é maturada, antes ocupados por single malts durante, respectivamente, 12, 16 e 30 anos. Degustei com o Ricardo a 12 e depois a 16. Recomendo ambas. A 12 é mais madeira; a 16 tem notas de defumado.

2) Melhor ale
A Hoegaarden Grand Cru, belga, é uma ale perfeita. As belgas têm validade de 5 anos, portanto, as que vencem entre 2010 e 2012 já perderam bastante de suas características originais pelo envelhecimento e oxidação. Vale procurar uma mais nova para descobrir suas nuances.

3) Melhor lager
A doppelbock Salvator, já que a Spaten Optimator não trazem mais pro Brasil.

4) Destaque nacional
A Rauch da Bamberg é uma grande cerveja, assim como a Bock sazonal deles. Mas adorei a Medieval, da Backer. Belguinha toda vida, uma bela cerveja.

5) Destaque importado
É sempre bom ter uma reserva de cervejas ainda não degustadas, mesmo que sejam consideradas clássicas. Degustei com mais cuidado esse ano a Abbott Ale e gastei bem essa ficha. Mais garantida em lata que nas garrafas transparentes, que são muito bonitas mas expõem muito o precioso líquido à ação da luz.

6) Novidade cervejeira
Dizem que a Colorado Indica ficou mais lupulada em 2009. Fui provar constatei. Sugestionado ou não ela continua sendo uma das melhores cervejas produzidas no Brasil.

7) Fato cervejeiro
Pode ser 2? A Brasil Brau, com a participação das ACervAs tirando onda com suas caseiras maravilhas, como a MaurIPA, cerveja que o Botto fez em minha homenagem (fiquei até metido .. rss) e que passava por um filtro de lúpulo Cascade em flor no caminho para a torneira. O segundo fato cervejeiro foi o IV Concurso Nacional, que aconteceu aqui no Rio, em outubro. Na festa, os convidados secaram mais de 600 litros de cerveja caseira e puderam degustar as melhores cervejas do Brasil.

8) Pior momento cervejeiro
O aumento dos impostos para cervejas especiais. Tremi na base quando o Marcelo, da Colorado, disse que reavaliaria a continuidade de seu negócio. Ainda bem que o cara é guerreiro e terminou o ano comemorando crescimento. Realmente, parece que a legislação brasileira no assunto é uma espécie de blindagem para as grandes cervejarias, praticamente inviabilizando o desenvolvimento de microcervejarias.

Ficou com água na boca?