Paladar

Para que serve isso aqui?

13 março 2009 | 16:45 por Roberto Fonseca

Não adianta clicar na outra ponta, a resposta está mais para baixo

Se você respondeu “para abrir garrafas, estúpido”, pode ir tirando o cavalinho da chuva. Refiro-me à outra extremidade, a que aparece do lado esquerdo do seu monitor. Mais, especificamente, a que é dotada de um martelinho e um machadinho.

Enquanto você pensa, explico a história. Estava eu na casa dos meus sogros, em pleno carnaval, fuçando gavetas atrás de um abridor de garrafas quando achei esta pequena relíquia. Segundo meu sogro, deve ter uns “20 ou 30 anos”. Sua utilização, porém, era desconhecida. Como não conseguiria uma resposta em pleno carnaval, passei os dias de folga criando teorias sobre o tema (ô, falta do que fazer). Eis algumas:

1) Teoria Hitchcock/Tarantino: o machadinho servia para o garçom cortar fora o dedo do cliente que não conseguisse acender o isqueiro dez vezes seguidas, depois de apostar com o amigo de mesa que o faria, em troca de uma Ferrari novinha. (a cena, embora pareça esdrúxula, foi um dos episódios de uma série do Alfred Hitchcock na TV, reproduzida por Quentin Tarantino no filme Grande Hotel).

2) Teoria “tiozão do churrasco”: o martelinho deve ser usado para bater levemente no meio da garrafa de cerveja, de forma a “acordá-la” antes de ser servida. Com isso, a cerveja ganha espuma mais cremosa ao chegar ao copo. Evidentemente, essa teoria deve ter sido elaborada após alguns (muitos) copos de cerveja, e não tem comprovação científica.

3) Teoria “total disgusting”: o martelinho serve para quebrar amendoins, cascas de siri, caranguejo e afins. O machadinho, por sua vez, seria usado na cavidade auricular (da mesma forma que aquela unha super crescida do mindinho) e, ainda, para remover sujeiras sob as outras unhas.

Depois desse elucidativo interlúdio, decidi enviar a imagem acima e a dúvida para a Ambev. Como não tive resposta, busquei auxílio profissional (não, não foi um psiquiatra). Por meio do amigo cervejeiro Cláudio Zastrow, questionei Curt Zastrow, ex-cervejeiro da Antarctica de Joinville (e pai do colega). A resposta foi simples: antigamente, os bares recebiam gelo em barras para resfriar as cervejas. O martelinho e o machadinho ajudavam o garçom a quebrar as barras para o gelo nos baldes.

Realmente uma ferramenta bem útil. Mas acho que prefiro as minhas teorias (hehehe).

Ficou com água na boca?