Paladar

Paladar do Brasil, as degustadas: Rugbeer, para esfriar – e esquentar – a garganta

09 junho 2009 | 21:20 por Roberto Fonseca

Ficha Rugbeer

A melhor (ou ao menos a mais engraçada) definição sobre a cerveja acima, uma das participantes de degustação do evento Paladar – Cozinha do Brasil, veio de alguém que ainda não a provou, o nobre amigo Guedes. “É uma ótima combinação. Toda vez que tomo cerveja e ela está mais gelada, prejudico (nota do blog: o termo chulo da declaração original foi substituído por versão mais adequada ao horário) minha garganta e preciso comer gengibre. Agora, posso fazer as duas coisas ao mesmo tempo.”

Tosquices à parte, a Rugbeer O’Driscoll Ginger Ale nasceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, como resultado das experiências do cervejeiro caseiro João Becker. Fã e praticante de rúgbi, ele a batizou fazendo homenagem a um jogador do esporte, o irlandês Brian O’Driscoll. Ruivo, O’Driscoll também é apelidado de ginger em inglês (como todos os ruivos, creio rs), palavra que também significa gengibre na nobre língua bretã.

Ficou com água na boca?

Antes de incluir a nobre bebida na lista de participantes etílicas do painel “Cervejas Nacionais com Ingredientes Brasileiros”, onde ela foi servida na versão barril, provei a Rugbeer O’Driscoll em garrafa no final de maio. Fiquei bastante impressionado com a cerveja, por considerar que a combinação gengibre, malte, lúpulo e álcool funcionou bem, melhor até do que duas versões comerciais (e não me refiro à Índica nem à Demoiselle, que considero muito boas). Na versão que provei, porém, faltou apenas um pouco mais de carbonatação, que aumentaria o drinkability da cerveja. Não que ela não seja bem boa, mas com mais gás a sensação de adocicado, creio, seria atenuada. Comentei o fato com o Becker, que me enviou fotos de outras garrafas abertas, que tinham visivelmente mais espuma e gás, e concluí que pode ter sido um problema dos Correios, que já havia “ceifado” a vida de uma das amostras.

Na apresentação, a cerveja não chegou a ficar com carbonatação excelente (apesar de ter sido “alimentada” com gás carbônico pelo amigo Edu Passarelli na véspera). Mas ainda assim chamou bastante a atenção do público, pelo inusitado. Afinal, o uso do gengibre em bebidas alcoólicas aqui no Brasil é basicamente restrito ao quentão e, tradição cada vez mais difícil de achar, nas gengibirras, ou fermentados de gengibre (com teor alcoólico insuficiente para causar efeitos embaraçosos ao ser consumida em excesso). Uma das curiosidades levantadas pela plateia foi a sensação de “calor” provocada pelo gengibre na bebida, e que os 7,2% de álcool não eram percebidos, o que torna a cerveja até um tanto “perigosa”.

Ficou com água na boca? A Rugbeer O’Driscoll Ginger Ale é vendida pelo João Becker (joaobecker@bhrugby.com.br) em Belo Horizonte, onde também pode ser achada em bares cervejeiros como o Frei Tuck. E, este mês, a versão em garrafa será vendida pela Confraria do site Cervejasnet. Vale a pena provar, não só pelo inusitado ingrediente, mas também pelo bom balanço que a combinação de elementos da cerveja obteve.

Além da Rugbeer, também foi apresentada no evento do Paladar do Brasil a Colorado Double Índica, versão mais amarga e lupulada da Índica feita como experiência pela microcervejaria de Ribeirão Preto. Leia mais sobre ela aqui.

Em tempo: apesar de não ser originário do Brasil – os maiores produtores são Índia e China, e também é encontrado na Ilha de Java -, o gengibre tem locais de cultivo no Brasil, que se estendem do Espírito Santo a Santa Catarina.

Em tempo 2: Em um misto de espanto e uma certa irritação pelo fenômeno não ter ocorrido na degustação de domingo, consegui fazer a cerveja do barril (chamado cornelius) “aceitar” o gás carbônico ontem. Depois de injetar o CO2 por algumas horas, fiquei “ninando” o barril por alguns minutos e, quando fui retirar um pouco da cerveja, veio uma quantidade abundante de espuma. Depois, começou a aparecer a Ginger Ale. Que ainda está boa! Abaixo, a foto de um dos copos.

Eureka! Espuma!

Em tempo 3: após uma “beer session” no famoso bar do Johnny, tchau, Rugbeer.