Paladar

Um brinde póstumo

23 fevereiro 2009 | 18:03 por Roberto Fonseca

De folga (da política e da degustação) neste carnaval, fui surpreendido pelos colegas cervejeiros Eduardo Passarelli e Marco Falcone com a notícia do falecimento de Tácilo Coutinho, de 51 anos, no sábado, vítima de infarto fulminante. Trata-se de um dos “pais” das cervejas da micro mineira Wäls Bier, que, do final de 2007 para cá, se destacou ao lançar no mercado produtos como as receitas de inspiração belga Dubbel (muito boa) e Tripel, além de uma Pilsen digna de elogios, dona de um amargor pouco visto por estas bandas. Conversei com ele algumas vezes – uma delas na apresentação da Wäls Dubbel -, menos do que deveria, tanto pela quantidade de conhecimento de que ele dispunha quanto pela agradável companhia. Falcone conta que, como engenheiro, Tácilo projetou e ajudou a ajustar equipamentos de sua fábrica, a Falke Bier, e da própria Wäls. “Tácilo deixa para nós uma lição que ele sempre acreditou: ‘…as cervejas, para serem espetaculares, não precisam necessariamente seguirem receitas já existentes, o que mais vale é a inovação…'”, afirmou José Felipe Carneiro, da Wäls.

Tácilo preparava junto com a Wäls, para este ano, o lançamento de uma outra receita inovadora: a Quadruppel (da qual só se encontra, no Brasil, uma outra representante, da holandesa La Trappe). Infelizmente, não poderá ver a cria na praça. Mas, sem dúvida alguma, será lembrado com um brinde quando ela estiver no meu copo e no de muitas outras pessoas com quem ele conviveu.

Ficou com água na boca?