Paladar

Um café para dividir

Histórias e experiências sobre o café

24 de Maio, Dia Nacional do Café

Você conhece a origem deste Dia Nacional do Café?

24 de maio de 2021 | 13h16 por Ensei Neto

Hoje, 24 de maio, é dia de comemorar o Dia Nacional do Café!

É uma data que foi sugerida pela ABIC – Associação Brasileira da Indústria do Café anos atrás para estimular as vendas e fortalecer a comunicação com o consumidor no período em que as temperaturas começam a baixar no Brasil.

Catuaí Amarelo IAC-62. Foto: Ensei Neto/Arquivo Pessoal.

Na escolha da data, levou-se me conta que fica a quase um mês do final do outono, o que significa que boa parte dos cafezais estariam com os frutos maduros, sincronizando-se, dessa forma, com o início da colheita dos cafés do Brasil.

Em média, o chamado ciclo da fruta do cafeeiro precisa de 220 a 240 dias a partir da florada e fecundação até chegar a madura, ideal para ser colhida e é o ponto que define a qualidade o lote. A presença de verdes e imaturos afetam para pior a bebida devido à presença da adstringência, que passa a sensação de boca ressecada após beber ou da língua sendo “picada” ou “raspada”.
Portanto, adstringência é um problema da bebida e que a classifica abaixo de Especial ou de Alta Qualidade.

Diversas origens produtoras de arabica como o Norte do Paraná, Alta Paulista, Alta Mogiana e Sul de Minas já iniciaram os trabalhos de colheita, bem como algumas áreas de Conilon no Espírito Santo. É um momento bonito de se ver, quando os cafezais ganham um colorido especial, sonoridade diferente, pois muita gente costuma cantar enquanto retira os frutos dos cafeeiros, e o vai e vem de carretas carregadas seguindo para os terreiros de secagem.

Terreiro de café. Foto: Ensei Neto/Arquivo Pessoal.

Em São Paulo, como parte do Instituto Botânico, no Ibirapuera, fica o maior cafezal urbano do mundo, onde é possível acompanhar todo o desenvolvimento de uma safra, da florada à colheita. Outra instituição respeitadíssima é o Instituto Agronômico de Campinas, conhecido como IAC, de onde saíram as mais populares variedades de cafeeiros plantados no Brasil e, também, em países da América Central e Colômbia, num trabalho reconhecido mundialmente.

O que importa é que excelentes cafés estão disponíveis no Brasil, seja em cafeterias, mercados especializados e, agora, mais do que nunca, pelo comércio digital, deixando para trás a percepção que os melhores grãos foram exportados.

Com o aumento do interesse dos consumidores, não apenas diferentes produtores ou lotes de café passaram a fazer parte do dia a dia, mas também diferentes métodos de preparo, incluindo alguns criados por brasileiros. Pressca e Koar, por exemplo, já fazem parte desse novo vocabulário cotidiano do coffeelover.
As cafeterias e seus baristas têm papel importante de auxiliar na educação do consumidor ao mesmo tempo que podem fazer a ponte entre estes e os produtores por meio de serviços com microlotes, ampliando os canais de comércio dos produtores ao mesmo tempo que mais pessoas podem saber mais sobre a produção do café e seus detalhes.

Café. Foto: Ensei Neto/Arquivo Pessoal.

Da mesma forma, num movimento de democratização e acesso, grandes torrefações têm investido fortemente no segmento de cafés de alta qualidade para oferecer em gôndolas de supermercado, facilitando para que mais pessoas possam aprender mais sobre café. Baristas, especialistas e até pesquisadores têm sido contratados por essas empresas para que um contato mais direto e amplo com os consumidores seja estabelecido, tornando mais evidente de que beber café é realmente muito bom!

 

MAIS CAFEÍNA

KING OF THE FORK
A micro rede King of the Fork, conhecida como KOF, é a preferida entre os bikers que circulam por Pinheiros, pois é tradicional ponto de encontro para troca de experiências, marcar saídas ou simplesmente beber um café bem legal.
Agora também o KOF está com um ponto na Vila Mariana, numa versão pop up, que fica no showroom de vendas das unidades do Hotel Motto by Hilton Ibira.
Serviço: King of Fork Café, Rua Ascendino Reis, 697.
Terça-feira, 10h às 19h, a Domingo, 11h às 16h.
www.kingofthefork.com.br

 

PATO REI
Outra cafeteria que aposta na abertura de novo ponto é a Pato Rei, que tem sua matriz ao estilo das cafeterias japonesas tipo kisaten, em Pinheiros.
Aproveitando o espaço onde já estava a torrefação, uma área dedicada  ao serviço de cafés foi montada e está disponível em horários ainda restritos, mas que permitem um momento de relax para quem estiver na região da Berrini.
Serviço: Cafeteria Pato Rei
Pato Rei Cafés, Avenida Eng. Luis Carlos Berrini, 1127.
Quarta-feira a sexta-feira, 12h às 15h; Sábado e Domingo, 9h às 18h.
patorei.voceqpad.com.br/

 

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?