Paladar

Bicicletas, jogos de tabuleiro, bancos e um café

Um café para dividir

Histórias e experiências sobre o café

Bicicletas, jogos de tabuleiro, bancos e um café

Beber café nunca foi tão bem praticado e em diferentes ambientes

04 dezembro 2018 | 10:50 por Ensei Neto

A tecnologia digital mudou definitivamente o trabalho, a relação com os serviços em geral e até nossa diversão. Ao contrário do que alguns especialistas em comportamento imaginavam do futuro, que haveria um domínio das máquinas, por exemplo, o que se observa é que as pessoas efetivamente estão no comando.

Quando o aplicativo Uber chegou, imediatamente criou um alvoroço e uma série de protestos de que o emprego iria acabar, quando na realidade fez um saudável rearranjo do mercado.

Entre atividades digitais e outras nem tanto, mas que acabaram por se rearranjar nestes novos tempos, nosso café acabou protagonista de parte das mudanças. Beber café nunca foi tão bem praticado e em diferentes ambientes.

Mantendo sua aura de “momento especial” quando dizemos “coffee break” ou “parada do cafézinho”, beber café sozinho ou bem acompanhado tem em seus ambientes novas possibilidades de negócios e atividades que tiveram seu momento disruptivo.

Área extrema do King of the Fork, em Pinheiros. FOTO: Fernando Sciarra/Estadão

Você é biker ou simplesmente gosta de pedalar?

Pois é, imagine um ambiente onde você pode trocar ideias e comprar acessórios para sua bicicleta? Sim, existem alguns locais como estes em São Paulo, como a cafeteria King of the Fork, em Pinheiros, conhecida pelo seu sonoro KOF, e que convidativamente mantém uma mesa coletiva com guarda-sol em sua entrada, em frente ao estacionamento das bikes. Bons cafés, doces e salgados bem feitos e um ambiente descontraído.

Aliás, a cafeína revigora depois de uma boa pedalada e, também, motiva para quem vai começar a jornada…

Quem tem mais de 40 anos certamente jogou War, um dos mais famosos jogos de tabuleiro, ou o Banco Imobiliário, que também é um ícone. Totalmente analógico, uma vez que depende de dados e estratégias de negociação, esse tipo de jogo voltou de forma renovada. Existem empresas dedicadas a sua produção que ganham componentes cada vez mais sofisticados e interessantes. Jogos para crianças crescidas têm como principal diferença a não exclusão dos participantes desde o início, permitindo que através de negociações ou estratégias bem elaboradas, cada um possa reverter sua posição. É o analógico se sobrepondo ao digital…

Nesse mercado que vem crescendo mais que massa de pão em fermentação, alguns empresários viram excelentes oportunidades na criação de espaços para as pessoas praticarem esses jogos. E nada melhor do que o café para acompanhar, uma vez que a cafeína ajuda muito na manutenção da atenção, memória e foco.

A primeira iniciativa nesse sentido é a Encounter Board Game Café, na Vila Madalena, que desde 2016 se dedica aos apaixonados pelos modernos jogos de tabuleiro e um bom café.

Cowkorking Café. Foto: Ensei Neto/Arquivo Pessoal

Com a implantação dos Internet Banking, as agências bancárias, muitas com área enorme, tornaram-se vazias, pois o mote desse serviço é justamente o de fazer com que o cliente não vá à agência.

O que parecia uma excelente resposta para corte de custos, trouxe um desafio: o que fazer com esses novos elefantes brancos?

Geralmente, as agências bancárias estão em locais de grande fluxo e, por isso, considerados nobres pelo mercado imobiliário. Conviver com grandes e caros espaços praticamente vazios não faz jus ao pensamento econômico dos bancos. E novamente o café entra como a luz que viria a iluminar esse panorama.

Em meados de 2017 conheci uma iniciativa interessante do Banco Santander em Santiago, Chile. Era uma mistura de coworking, café e banco, numa agência situada numa das avenidas mais elegantes daquela cidade. Para mim foi um banho de genialidade ao juntar três elementos que interagem tão bem!

Nessa agência, que era experimental, haviam diversos nichos com equipamentos como impressoras destinados a reuniões privadas. O acesso à internet de alta velocidade era franqueado aos clientes do banco, que dispunham de diversas mesas coletivas para simplesmente trabalharem ou se reunirem. Tudo isso acompanhado por excelente café da cafeteria instalada no local.

Mesmo que um pouco atrasada, essa iniciativa chegou a São Paulo, mais precisamente no Shopping Center 3, na avenida Paulista, onde uma agência desse mesmo banco se uniu ao Suplicy Café para criar esse ambiente cafeinadamente produtivo.

O mercado é muito dinâmico e o café pode ser um aliado poderoso para os novos negócios. Vai um café?

Tags:

Ficou com água na boca?