Paladar

Um café para dividir

Histórias e experiências sobre o café

Pequenas e descomplicadas, são assim as novas cafeterias da cidade

Novas cafeterias de estrutura minimalista conquistam pela qualidade e preços justos

11 de junho de 2019 | 00h25 por Ensei Neto

Até a virada dos anos 2000, o consumo do café no Brasil tinha no cafezinho, forte e coado no pano, o seu mais perfeito retrato. Uma ou outra pessoa tinha acesso à cafeteira italiana Moka e, no caso dos restaurantes, raras eram as máquinas de café expresso.

Em muito pouco tempo, acompanhando as tendências mundiais, a relação do brasileiro com o café foi ganhando desenho mais sofisticado com a inclusão de diferentes métodos de preparo, além da qualidade das sementes torradas ter melhorado bastante.

Mas como em todo mercado novo, vale a frase “em terra de cego, o caolho pode ser rei.”

The Little Coffee Shop. O café inteiro tem quase 2m².  FOTO: Fernando Sciarra/Estadão

Modismos vão se integrando, novos profissionais surgem, muita informação pulula por todos os lugares, além do fato de muitas pessoas buscarem um lugar ao sol num mercado que cresce vigorosamente.

O problema é quando uma parcela que pode ser considerada vanguardista transforma o simples prazer em apreciar uma xícara de café em um ritual cheio de maneirismos. Geralmente quando isso acontece, um movimento de busca de conhecimento toma corpo. E o bom conhecimento, juntamente com a possibilidade de se comparar os diferentes produtos e serviços, conduz ao chamado consumo consciente.

Foi o que aconteceu no mercado dos vinhos no Brasil, que sofreu um certo retardo em seu crescimento à medida que a população de enochatos aumentou. Hoje, graças aos sommeliers e especialistas que tomaram a missão de descomplicar e devolver o prazer de simplesmente apreciar uma taça de vinho, esse mercado está retomando seu crescimento.

O momento do café no nosso país está experimentando algo semelhante à medida em que diversos cursos com boas informações sobre origens das sementes, dos métodos de preparo e até de como se pode torrar em casa se popularizam.

Como sempre digo, o conhecimento liberta!

A compreensão de que basta que cada pessoa confie em seus sentidos vale muito, pois o melhor é sempre uma questão de preferência pessoal.

Para você entender, experimente provar cafés de boa qualidade de diferentes preços às cegas. O resultado pode surpreender, pois nem sempre o caríssimo é o melhor da série para você.

Como conseqüência, desperta-se a consciência para o consumo onde a relação custo-benefício se torna determinante.

The Little Coffee Shop, The Coffee, Hey Coffee. FOTO: Ensei Neto/Arquivo Pessoal

Fiz uma seleção de cafeterias que seguem a tendência do mercado: consumo consciente,  excelente qualidade dos cafés, atendimento atencioso, descomplicado e de cativante simplicidade e estrutura enxutíssima. É o resgate da simpatia e respeito ao cliente.

The Little Coffee Shop. Ousado projeto de 2014, da barista Flavia Pogliani, é uma grandiosa loja de 2 m2 localizada em Pinheiros. Os deliciosos cafés são escolhidos pela própria Flavia e torrados por parceiros como o Sofá Café, em horário que ela denomina “de marajá”: das 12h às 17h20, só de segunda-feira a sexta-feira. Onde. R. Lisboa, 35 www.thelittlecoffeeshop.com.br

Hey Coffe. Abrir uma cafeteria bacana num lugar ainda inexplorado. Este foi o ponto de partida do barista Tiago Munch, que trabalhou no Mirante 9 de Julho na “Isto é Café”. O endereço escolhido foi o calçadão na região da República, e que recebeu, há pouco mais de um ano, a simpático cafeteria. Boas opções de doces, como um belo brownie preparado no próprio local, e de empanadas, acompanham cafés como o Ninho da Águia de Clayton Barrosa. Preços camaradas, menu descomplicado, cafés excelentes e atendimento muito simpático fazem a combinação perfeita! Onde. R. Dom José de Barros, 152. 7h30/19h (sáb., 9h/17h; fecha dom.)

The Coffee. コーヒー. No dia 08 de junho foi inaugurada a primeira loja dessa rede que deve dar o que falar…  Nascido de um projeto conjunto da Fabiana Azevedo e Thalita Yuki, o The Coffee é pós-moderno em seu conceito que combina um simpático e cortês atendimento nipônico. Num espaço minúsculo de pouco mais de 2 m2 com uma máquina de expresso à vista e autoatendimento feito em um tablet, competentes cafés são servidos em diferentes versões com preços muito acessíveis.
Onde. R. dos Pinheiros, 466; 7h30/20h (sáb. e dom. 9h/20h) www.thecoffee.jp

É assim que o café faz o mundo mais alegre e feliz: descomplicando!

Tags:

Ficou com água na boca?