Paladar

Um café para dividir

Histórias e experiências sobre o café

Dos cafés campeões aos festivais: as novidades do café!

Conheça as novidades do mercado que devem aquecer o inverno.

14 de junho de 2022 | 01h15 por Ensei Neto

O mês de junho, conhecido pela entrada do Inverno e dos diversos festejos como Santo Antônio, o casamenteiro, São João, que espanta o frio com as danças, e São Pedro, o anfitrião oficial do Paraíso, traz muitas novidades cafeinadas.
As temperaturas mais baixas fazem um convite automático para que as pessoas busquem com maior frequência refúgio numa xícara de café para aquecer a alma e o pensamento. Há um perceptível aumento no movimento das cafeterias, padarias e nas gôndolas dos supermercados nesta época do ano, motivando muitas empresas a fazerem lançamentos de seus novos produtos.

 

O Movimento das Grandes

As festas juninas são muito populares no Nordeste do Brasil, até mais que o carnaval. Pipoca, pamonha, canjica, quentão e café fazem o cardápio das festividades.
Aproveitando o clima, a Melitta lançou uma embalagem comemorativa de seu café tradicional com foco no mercado nordestino.

Uma curiosidade: você sabia que além de introduzir o filtro de papel e seu icônico sistema de preparo de café, que acabou por dar origem a todas variantes hoje conhecidas, a Melitta lançou nos anos 1970 o primeiro café torrado e moído a vácuo no Brasil, que aumenta a vida de prateleira do produto.

Esta embalagem comemorativa será comercializada apenas no Nordeste.

Melitta Festivo. Foto: Divulgação

 

O artista Candido Portinari, que viveu na região cafeeira da Alta Mogiana, ficou conhecido por seu estilo repleto de elementos geométricos e por representar com frequência cenas da cafeicultura paulista do início do Século XX.
A Três Corações lançou uma linha dedicada a Portinari com três diferentes blends, cada um associado a uma de suas obras: “Meninos empinando pipas”, de 1947, com notas trufadas; “Peneirando café”, de 1957, com notas frutadas; e “Café”, de 1942, com notas florais.

Esses blends foram classificados como gourmet pela ABIC – Associação Brasileira da Indústria do Café e que servem como porta de entrada ao consumidor que está em seu aprendizado sobre o café, pois são produtos com muito boa relação benefício-custo.

 Vale lembrar que o único sistema de avaliação de café torrado para consumo no mundo é o da ABIC, que classifica os produtos em Tradicional, Superior e Gourmet, numa escala pontuada que se inicia em 4,3 para o Tradicional e vai até 10,0.
É importante destacar que a pontuação mostrada em diversos cafés especiais torrados por microtorrefações é dada à matéria prima quando de sua compra e de acordo com o Protocolo de Avaliação de Cafés da SCA – Specialty Coffee Association/Associação de Cafés Especiais. Por isso, após a torra em cada cafeteria ou micro torrefação, além do preparo para consumo, podem levar a resultados bastante diferentes de quando o café matéria prima foi avaliado.

Os produtos da linha Portinari podem ser encontrados no site da Três Corações.

Linha Portinari, 3 Corações. Foto: divulgação.

 

A Nespresso lançou uma cápsula de sua linha clássica com um blend criado para homenagear a cidade do Rio de Janeiro, reproduzindo o matiz de sabor apreciado pelo carioca ao apresentar notas típicas de torra intensa combinada com toque herbal.
A sugestão de consumo para da cápsula Rio de Janeiro, que tem belo grafismo representando a Mata Atlântica, é a extração longa ou a curta com adição de água.

Você sabia que existe um paralelo muito interessante entre dois modos de consumo de café, um no Brasil e outro nos Estados Unidos?
Muito comum no Rio de Janeiro, é a adição de água num café bem concentrado, como um clássico Cafezinho ou um Espresso curto, que recebe o nome de “Carioca”. Nos Estados Unidos, é chamado de “Americano” o café que recebe diluição com água.   

Para este lançamento, o chef Rodrigo Oliveira, do festejado restaurante Mocotó, é o seu embaixador, adicionando muita brasilidade ao Rio de Janeiro.

Nespresso, cápsula Rio de Janeiro. Foto: Divulgação.

 

 

CAFÉS RAROS

A cafeteria Pato Rei, que tem duas unidades, uma em Pinheiros e outra em Cidade Monções, fez uma aquisição ousada de um café no final de 2020: adquiriu um raríssimo lote produzido na fazenda de propriedade da Daterra, uma das grandes produtoras de cafés de alta qualidade no Cerrado Mineiro, num leilão internacional.
Com um lance de US$28 por libra-peso (453 gramas), Tiago Mello, sócio e mestre de torra da cafeteria, adquiriu o micro lote Yar Ragapaw, que faz referência à constelação da canoa, em linguagem indígena, de 24,2kg, no valor aproximado de US$1,500.
Este microlote é resultado de uma liga, nome dado ao blend de cafés crus, das variedades Laurina e Aramosa.
Para dar acesso ao maior número de clientes, este raríssimo café está sendo servido na forma de experiência, tanto coado como espresso, nas unidades da Pato Rei.

 

O produtor Ricardo Bartholo, da Fazenda Cinco Estrelas, em Patrocínio, Cerrado Mineiro, há alguns anos fez uma transição ousada e considerada pouco provável para a grande parte dos seus pares: passou da chamada produção convencional para o sistema orgânico.

A região do Cerrado Mineiro, conhecida pela organização entre os produtores e da alta tecnologia amplamente aplicada, tem um clima particularmente restritivo em algumas áreas pela sua característica continental. Por essa razão, o emprego de irrigação é uma das ferramentas obrigatórias para boa parte das fazendas cafeeiras. Em condições climáticas assim, empregar o manejo orgânico, apesar de seu sólido aspecto ecológico, é altamente desafiador.
No entanto, com adoção de técnicas alinhadas com a filosofia do manejo orgânico, os resultados se mostraram muito promissores para Bartholo, até ter um microlote que alcançou a mais alta pontuação no concurso do Cerrado Mineiro.
Esse lote de apenas 4 sacas de 60 kg foi arrematado pela Coffee++, que lançou uma série especial comemorativa na forma de dripcoffee para que o maior número de consumidores pudesse ter acesso. Cada saca desse lote de Cereja Descascada da variedade Paraíso recebeu o lance de estratosférico valor de R$ 52.000,00.

Coffee++ Microlote. Foto: Divulgação.

 

UMA GRANDE FESTA

Os grandes eventos estão definitivamente de volta!
Shows de rock, jogos de futebol, eventos gastronômicos e, também, eventos do café.

De 24 a 26 de junho de 2022, no prédio da Bienal, no Parque do Ibirapuera, acontece a primeira edição presencial do São Paulo Coffee Festival, adiada por conta da pandemia.
Com uma programação recheada de atividades como degustações, workshops espertos, competições e muito café para experimentar, este Festival é uma parceria entre a Allegra Events, que detém a marca e formato, e a Revista Espresso/Café Editora.
As primeiras edições aconteceram em Londres, seguindo para cidades como Milão, Nova Iorque, Cidade do Cabo e Paris.

São Paulo Coffee Festival. Foto: Divulgação

 

 

 

 

 

 

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?