Paladar

Um café para dividir

Histórias e experiências sobre o café

Em casa de ferreiro…

Como são os cantos cafeinados dos profissionais do café

06 de setembro de 2021 | 00h39 por Ensei Neto

As ondas do café são definidas pelo modelo de consumo, sendo que ainda estamos vivendo intensamente a chamada Terceira Onda, que tem dois personagens que ganharam destaque: o cafeicultor, que passou a ser reconhecido pelo público consumidor por meio da comunicação feita pelas cafeterias dessa onda, e o barista, profissional que tem a missão de materializar em goles de aromas e sabores as histórias de cada grão que sua casa oferece.

A Quarta Onda já vinha sendo desenhada desde meados da década de 2010, com as residências se tornando as novas cafeterias. Com a popularização dos novos e diferentes métodos de preparo, uma legião cada vez maior de pessoas simplesmente passou a ter no café seu novo passatempo e objeto de devoção: os coffeelovers.

Acompanhar e debater sobre lançamentos de utensílios, balanças, chaleiras e novos métodos passou a ser o novo dia a dia desse pessoal. Isso é sempre muito bom, pois demonstra que o mercado está muito ativo, fervilhante até, afastando o temor de incertezas que a pandemia trouxe. Apesar dos impactos negativos que ela trouxe, muito devido à quase paralização de muitas atividades econômicas devido às medidas de isolamento e distanciamento social, por outro lado estimulou de forma inimaginável outros setores, principalmente o consumo em casa. A pandemia, sem dúvida, foi um catalisador do crescimento da Quarta Onda, que inclui a torra doméstica.

Se os coffeelovers tem o seu cantinho, muitas vezes caprichados e repletos de instrumentos com muita tecnologia, como você imagina os cantos do café dos profissionais dessa grande indústria?

Convidei alguns desses profissionais, pessoas que vivem do café para o café,  para que apresentassem seus cantinhos cafeinados. E aí veio uma conversa de tempos atrás com amigos dos vinhos que comentaram como é a evolução do winelover, que é exatamente igual ao dos coffeelover: ainda “Inocente”, vale “Vamos beber café!”; ao ser tornar um “Iniciante”, começa com “Eu prefiro um café encorpado!”; quando fica mais entendido, o discurso fica “Eu bebo somente Bourbon!”; no patamar dos super coffeelovers, diz “Gosto de experimentar de tudo!”; até que, quando muito experiente, seu desejo é “Vamos beber café…”

Leonardo Pasquali é o proprietário da Pasquali Máquinas, de São Paulo, representante brasileira de equipamentos e soluções para cafeterias como a suíça Ditting, a italiana Dalla Corte e a norte americana Urnex. Sempre antenado nas tendências do setor, Leo também é baterista e fã de um bom Rock & Roll.
Seu cantinho do café é, como ele próprio diz, enxuto, mas somente utensílios muito especiais: um porta filtro Clever edição especial, chaleira Artisan, balança Ratio e moedor XSeries, todos da Brewista, e o moinho Vario W  da Baratza. Tudo sobre um forno elétrico, para tornar tudo mais prático ainda…

Canto do Café. Foto: Leonardo Pasquali


Luiz Salomão
é gerente comercial para o Cone Sul pela norteamericana Bunn Co., conhecidíssima marca de moinhos e sistemas de preparo de café como a clássica VP-17 e o icônico moinho G3.
Com excelente formação técnica, Luiz é hoje um dos grandes especialistas em preparo como percolação e os sistemas conhecidos por “Batch Brew” do mercado, atendendo clientes como cafeterias e redes hoteleiras.
Adepto também da filosofia “menos é mais”, não poderia faltar uma cafeteira Bunn em seu canto do café, que têm, ainda, itens como chaleiras de bico de ganso, um moinho Breville, cremeira de leite illy e xícaras de cerâmica Hideko Honma.

Cantinho do Café. Foto: Luiz Salomão.


Thiago Emmerich
, juntamente com os irmãos Séfora e Matheus, comanda a Atila Torradores, indústria que começou em Manhuaçu e hoje está instalada em um amplo galpão em Belo Horizonte. São grande apoiadores de eventos do café, patrocinando, por exemplo, o Campeonato Brasileiro de Aeropress e o Desafio da Torra de Café, além de assíduos em feiras e grandes eventos da cafeicultura.
Respirando e transpirando café 24 horas, como diz, mantém um canto de café com o que considera essencial: um moinho versátil, o Cuisinart, balança eletrônica Hario, e utensílios dos principais métodos como Clever, Melitta, Hario, Pressca e, obrigatoriamente, Aeropress. E não dispensa sua clássica caneca de ágata para apreciar os incontáveis cafés que recebe de seus clientes torrefações de todo o Brasil.

Cantinho do Café. Foto: Thiago Emmerich.

 

A Livraria Jaqueira é um dos mais importantes grupos do setor no país, sendo um dos líderes no Nordeste, a partir do Recife, onde estão radicados. Com unidades nos principais bairros da capital pernambucana, a do Paço Alfândega, que fica no Centro Histórico é, sem dúvida, a grande estrela, com seus 2.700 m2 , sendo a cafeteria e microtorrefação seu destaque.
Antonio Fernando Mendes é quem está a frente do projeto, que vê no mercado do café muitas oportunidades. Em sua casa, preza pela praticidade e seu canto do café conta com o essencial: um moinho Breville, um jarro com aquecimento elétrico e uma balança, além do porta-filtro Hario e o nordestino Koar.

Cantinho do Café. Foto: Antonio Fernando Mendes.

A empresa Café com Arte Coadores resgatou o coador de pano para preparo individual. Café passado no coador de pano é como se faz o nosso clássico Cafezinho, que, inicialmente, tem o pó adicionado à água fervente.
Renato Moelin, responsável pela operação, também trabalha com desenvolvimento de utensílios para o preparo de café, bem como em processos de manufatura.
Nesses tempos de home office, seu canto do café cresceu e hoje conta com diversos equipamentos e métodos de preparo, muitos, inclusive para servirem de inspiração aos seus projetos.

Cantinho do Café.Foto: Renato Moelin.

Para José Fernando Pelegio, trabalhar com café se tornou um momento de relaxamento e, por isso, o seu canto do café é uma cafeteria dentro de casa. Diretor Artístico do SBT, Pelegio tem um ritmo muito intenso de trabalho, sendo o momento para o café sua válvula de escape para repor energias.
Fã do espresso, tem uma máquina de grupo em seu canto do café, onde exercita sua grande habilidade com o lattè art.

Canto do Café. Foto: Fernando Pelegio.


Gisele Coutinho
é jornalista, fez parte da equipe da Revista Espresso antes de se enveredar pelos caminhos não só escritos do café. Deu início ao Pura Cafeína, um projeto de educação do consumidor, onde explica sobre métodos, dá receitas e testa produtos de forma simples e sem frescuras, mantendo também uma loja virtual para venda de utensílios e cafés de sua seleção.
Como ela mesma diz, loja é loja, trampo é trampo, casa é casa… e seu canto é onde mora a praticidade: uma máquina de espresso superautomática, balança eletrônica, chaleira bico de ganso, moinho Baratza, filtro de água e jarro elétrico para aquecer a água, além do bom e sempre infalível porta filtro Melitta!

Cantinho do Café. Foto: Gisele Coutinho.

 

MAIS CAFEÍNA

Café Mundo – Exposição Imersiva.
Contar a história do café por meio de expressões artísticas como literatura, música, arquitetura, artes visuais e gastronomia é a proposta da exposição Café Mundo, que acontece no MAB-FAAP até o próximo dia 19 de Setembro.
Com entrada gratuita, a visitação presencial pode ser agendada para todos os dias da semana, à exceção das terças-feiras, ou virtualmente pelo website da exposição.
Serviço: Exposição Café Mundo.

MAB-FAAP, Rua Alagoas, 903, Higienópolis
Informações: (11)3662-7198.
www.cafemundoexpo.com.br

 

Nespresso lança edição limitada Linha Ispirazione.
A nova edição limitada da Nespresso presta uma homenagem aos mestres de torra italianos por meio de dois blends, cada qual trazendo as características de torra de duas das mais importantes regiões da Itália, o Sul e o Norte.
A cápsula Ispirazione Novecento inspira-se na torra dos espressos italianos clássicos, bastante intensos. Já o Ispirazione Millennio traz uma leitura moderna das técnicas de torra de um blend em que predominam a acidez e as notas frutadas.
A edição limitada pode ser adquirida nas lojas físicas e também pelo seu website.
Serviço: Nespresso, Linha Ispirazione.
www.nespresso.com

 

Gaggia lança no Brasil Linha Magenta.
A máquina de espresso é uma criação do italiano Achille Gaggia, que a patenteou na década de 1930, sendo um símbolo dos serviços de café.
A Gaggia lança a Linha Magenta de máquinas superautomáticas, isto é, que trazem incorporadas moinho e a caldeira para a preparação do espresso e suas variações com leite. Com design minimalista, o destaque são os controles, que ficam numa tela touch, tornando todo o processo de extração intuitivo e ao alcance de um toque.
A Gaggia é representada no Brasil pela Imeltron.
Serviço: Gaggia, Linha Magenta.
www.imeltron.com.br

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?