Paladar

Moendo o café

Um café para dividir

Histórias e experiências sobre o café

Moendo o café

A moagem do café define as características da bebida na xícara

08 maio 2018 | 17:15 por Ensei Neto

A moagem do grão torrado do café é a penúltima coisa que se faz antes de se preparar propriamente a bebida. E tem uma importância muito grande!
No supermercado você encontrará com mais freqüência marcas que vendem o café torrado e moído, geralmente em torra fina no caso dos produtos de faixa mais em conta. Há uma lógica poderosa por trás disso.

Pessoas que procuram produtos mais baratos têm como foco o “rendimento” da extração, ou seja, acreditam que estão fazendo mais café com a mesma quantidade de pó porque, além de uma torra extra intensa, a moagem é bastante fina.

O rendimento se torna maior, considerando-se somente a cor da bebida, porque o carvão é preto!

Essa torra hiper intensa pode vir a esconder defeitos de sementes de café que são resíduos de seleção das melhores. É algo normal, como quando se separa o trigo do joio misturados: existe a parte boa e a parte nem tanto.
Ao se combinar essa torra com a moagem fina, a coloração e o sabor amargo de carvão se tornam intensos porque a extração ficou muito eficiente. Como conseqüência dessa linha de raciocínio, partículas mais grossas do grão moído fazem com que a extração seja mais suave.

FOTO: Ensei Neto

Torras mais claras, como a média, que tem coloração que lembra a de uma barra de chocolate 35%, é bastante boa porque tem a maior parte dos sabores originais da semente preservados, desde que, é claro, que o lote de café seja de boa qualidade. Afinal, a qualidade da matéria prima é a chave para se determinar o quão bom será o produto torrado direitinho.

Se você tiver um moedor doméstico, poderá observar que moagem mais grossa, para uma mesma quantidade de grãos torrados, dá bebida com mais acidez e certa doçura, enquanto que com uma moagem bem mais fina, lembrando a textura do açúcar refinado, pode dar maior percepção de corpo, porém com a presença também da cafeína e seu amargor.

Moagem mais grossa, mas sem exageros, funciona bem como métodos como a prensa francesa, enquanto que a média vai bem com os filtrados (Hario, Kalita e Mellita). A cafeteira italiana e as máquinas domésticas de café expresso pedem moagem mais fina.

Você pode fazer experiências com diferentes tipos de moagem, discretamente mais finas ou mais grossas, num sistema de filtro de papel para, daí, escolher aquela que dá a bebida que mais lhe agrada.

Num próximo post comentarei sobre os moedores domésticos disponíveis e que podem fazer parte do seu arsenal de Coffee Lover!

Abraços cafeinados!

 

 

Tags: