Paladar

Um café para dividir

Histórias e experiências sobre o café

Para torrar café em casa

Para torrar o seu próprio café, conheça alguns torradores domésticos.

21 de junho de 2022 | 02h21 por Ensei Neto

Nos últimos tempos, impulsionado pelo isolamento devido à pandemia, muitas pessoas começaram a ter maior interesse nas atividades junto ao fogão. A cozinha, que vinha ganhando protagonismo nas casas, firmou-se definitivamente como o seu lugar mais importante.
Os programas de culinária se tornaram absoluto sucesso, levando a um aumento impressionante nas vendas de panelas, utensílios em geral, fogões e fornos mais sofisticados para uma nova legião de cozinheiros, padeiros e especialistas em doces.

O mestre de torra. Arte: Daniel Kondo.

 

O consumo de café em casa também aumentou bastante nesse mesmo período, com as pessoas experimentando diferentes cafés com muito maior frequência, adquirindo capacidade de julgamento para compras cada vez mais conscientes, ou seja, quando a relação custo-benefício é a referência principal.
A partir da maior convivência com o café, incluindo-se experimentar diferentes métodos de preparo, um novo segmento começou a ganhar interesse crescente: torrar café em casa.

Muitas pessoas têm conversado comigo sobre como torrar café em casa, se há necessidade de ter equipamentos tão caros quanto um carro em bom estado e se o processo de torra é muito difícil de se controlar, entre outras questões.

Cozinhar, assar pães ou torrar café possuem uma linha lógica de operação que é muito semelhante: todos usam o calor como elemento de transformação.
Apesar da sofisticação que existe nesses processos, aqui entendendo-se como reações químicas que ocorrem, a principal característica dessas atividades é que, justamente pelo fato de atenderem rigorosamente os princípios da Ciência, sua execução é absolutamente intuitiva.

Quando menciono “intuitivo” é porque o bom senso e o uso de nossas habilidades sensoriais, que são por princípio “intuitivas”, podem fazer de pessoas não letradas grandes cozinheiras ou mestres de torra sem qualquer dificuldade. Afinal, é devido à habilidade e experiência que os grandes cozinheiros têm que o fazem conferir o ponto final de cada prato ou visualmente, senão sentindo o aroma que é exalado ao abrir a tampa da panela ou do forno.

O primeiro torrador, que ainda é muito usado, por exemplo, no interior do sertão nordestino, é o “caco”, que é um prato de barro com leve curvatura, similar ao usado na Etiópia, berço botânico do café. Colocam-se os grãos de café cru nesse caco, que fica sobre fogo, e que devem ser mexidos constantemente com uma colher de pau para tornar a transmissão de calor o mais uniforme possível.
As reações químicas acontecem normalmente e a sensibilidade de quem está com a colher de pau a mexer os grãos define a qualidade da torra, geralmente muito boa.

Caco de barro. Foto: Divulgação

 

Uma alternativa para substituir o caco de barro é uma panela de aço inox ou outro metal, com resultados muito bons.

O clássico torrador “bola” ou “bolinha”, muito utilizado nas residências de produtores de café, é um dos torradores mais práticos e fáceis de trabalhar, bastando encontrar o ritmo ideal no giro da manivela.
Em razão de sua geometria e material, as etapas da torra, que se inicia com a desidratação ou secagem final da semente para, então, entrar nas reações químicas que caracterizam a torra propriamente dita até o momento da pirólise, quando são ouvidos estalidos como o som de pipoca estourando, acontecem numa dinâmica perfeita.
Como variação de formato, existem os torradores cilíndricos, também acionados por uma manivela acoplada a um eixo central e com resultados semelhantes aos esféricos.

Torrado Bola. Foto: Ensei Neto/Arquivo Pessoal.

 

Uma família de torradores muito popular é a dos elétricos, geralmente em modelo conhecido por “leito fluido”, que tem o formato similar a uma pipoqueira, funcionando com um fluxo ascendente de ar quente em volume suficiente para  manter os grãos de café em suspensão. Neste sistema, todo o processo de torra muito mais rápido do que em equipamentos como panela ou o bola.

Há equipamentos, como o inglês Ikawa, de valor bastante alto, voltado para o público profissional, ou o taiwanês Fresh Roast e similares, muito eficiente e pode ser adquirida na Amazon.

Torrador Leite Fluido. Foto: Divulgação.

 

Recentemente, alguns vídeos com utensílios de torra feitos em vidro ou em aço inox e que vão diretamente ao fogo têm despertado a curiosidade dos coffeelovers que se interessam em torrar café.
O torrador de vidro Agniraga é produzido por uma empresa da Indonésia, a Suji Co. Ltd., projetado para ficar sobre a chama de um fogão a gás. O formato da câmara onde ficam os grãos de café, lembra uma rosquinha ou donut ou, ainda, uma câmara de pneu.
O processo de torra leva o mesmo tempo que um bola ou numa panela, precisando de muita atenção porque os gases gerados no processo saem pelo cabo do recipiente.

Torrador de café em vidro. Foto: Divulgação.

 

Só para lembrar, durante a reação de pirólise, quando os grãos de café se expandem, a temperatura do sistema fica entre 180ºC e 200ºC.

Há um outro torrador com desenho semelhante, da fabricante Upkoch, confeccionado em cerâmica com cabo de madeira e que pode ser adquirido na Amazon. Neste caso, os gases saem por um orifício central, sendo mais seguro ao manipular.

Torrador de café em cerâmica. Foto: Divulgação.

 

Experimente e me conte sua experiência com as torras de café.

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?

Mais lidas