Paladar

Um café para dividir

Histórias e experiências sobre o café

Quando os gigantes do café entram no jogo

O mercado de café ganha novos produtos para um segmento que se abre

29 de novembro de 2020 | 21h53 por Ensei Neto

O mercado de café vem experimentando grandes mudanças nos últimos anos, principalmente com a expansão do segmento dos cafés de alta qualidade, conhecidos como especiais. Como uma locomotiva, trouxe ao público cafeterias com grande amplitude de serviços, oferecendo não apenas o clássico café expresso como principal referência, mas, também, diversos métodos de preparo, além da possibilidade de se experimentar uma enorme variedade de cafés.

Este segmento se consolidou a partir de uma combinação de diversos fatores e elementos como as certificações de processo, o comércio justo e comércio direto, que aumentou a visibilidade dos produtores diante o consumidor final, a popularização das micro torrefações e dos diversos profissionais que ajudam na divulgação de informações sobre as origens produtoras, dos cafeicultores e de suas lavouras. A excelência da qualidade de muitos lotes de café que chegam por meio das cafeterias e de clubes de assinaturas é constantemente celebrada, movimentando um público cada vez maior.

O cenário global do consumo de café ainda mantém trajetória ascendente, mesmo com o forte impacto da pandemia. Está ocorrendo, sim, uma mudança importante nos canais de venda de café, uma vez que muitas pessoas passaram boa parte dos dias deste inesquecível ano de 2020 em recolhimento doméstico.

O home office, as lives e reuniões via plataformas digitais substituíram em boa parte a movimentação que se fazia nos escritórios na maioria das cidades.

O isolamento social, juntamente com as medidas de restrição de funcionamento de bares, restaurantes e cafeterias, alterou substancialmente como o café é consumido. Como consequência, muito do consumo fora de casa foi para dentro de casa.

Com o olhar atento a todas essas mudanças, as grandes torrefações não mediram esforços para fazerem lançamentos de cafés de excelente qualidade com o adicional da maior facilidade de acesso, tanto por vendas online como uma azeitada distribuição em redes de supermercados.

Linha Amelie. Foto: Divulgação.

Neste aspecto, vale a pena comentar o lançamento da série Amelie pela Melitta, que são cafés especiais produzidos por cafeicultoras, ampliando segmento aberto pela 3 Corações e sua Florada Premiada.

Há também um ousado lançamento por esta última, que são cafés de outros países, dos quais vale registrar o de grãos do Panamá, que tem o sempre instigante ácido málico, típico de regiões de grande altitude e que é percebido nas maçãs verdes européias. Se você ainda não teve oportunidade de experimentar um café com essa característica sensorial, pode ser o momento.

Rituais 3 Corações. Foto: Divulgação.

Por outro lado, essas grandes torrefações também perceberam a oportunidade de ocupar novos espaços a partir da exploração de uma faixa de mercado praticamente esquecida e que fica entre os cafés de preços mais competitivos, com vendas em grandiosa escala, e os cafés especiais, de oferta limitada e alto valor. Faço referência ao segmento dos cafés de classe intermediária, de muito boa qualidade e preços bem menores que os especiais, que ficam em piso bem acima.
Esse segmento possui um enorme espaço para crescer, porque ainda são poucos os produtos disponíveis.

A primeira empresa a ter uma linha de produtos nesta categoria foi a Melitta com a Regiões Brasileiras, lançada há mais de 12 anos, desempenhando importante trabalho didático sobre as origens brasileiras para o consumidor.

Nescafé Gold. Foto: Divulgação.

Vindo para transitar nesse espaço, a Nestlé, com a linha Nescafé Gold, sai de produtos da classe instantânea para cafés para preparo como coado. Diria que é uma verdadeira guinada de direção e vocação ao trabalhar com grãos exclusivamente da espécie arabica.

Finalmente, a JDE – Jacobs Douwe Egberts entra no jogo com sua tradicional marca Pilão com novo blend para a linha de nome Cafeteria.

Pilão Cafeteria. Foto: Divulgação.

Sim, agora é jogo para os gigantes.

É importante lembrar que estes cafés podem ser considerados de muito boa qualidade, com excelente relação benefício/custo, ideal para consumo no dia a dia, até imoderadamente.

São todos cafés fáceis de beber, com mínima aspereza e até com total ausência, e, por isso, cafés descomplicados. Deve ser lembrado que uma expressiva fatia do mercado está aí, composta por pessoas em busca de novidades, mas que querem apenas beber um café bacana…

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?