Paladar

Um café para dividir

Histórias e experiências sobre o café

Conheça cinco fazendas que torram seu próprio café

Cafeicultores de vários estados brasileiros investiram em pequenas máquinas e, agora, fazem a torra de sua própria produção

23 de abril de 2019 | 00h43 por Ensei Neto

O início dos anos 2000 foi marcado por uma das mais agudas e prolongadas crises de preços do mercado do café devido ao descasamento entre a grande produção mundial e o seu consumo. Como parte das estratégias empregadas pelos produtores para driblar as dificuldades financeiras acumuladas pelas lavouras, torrar parte de sua produção foi um dos caminhos escolhidos. Algumas fazendas de grandes grupos já estavam navegando por esses mares, como o caso da Ipanema, de Alfenas (MG) enquanto outras ainda começaram a se aventurar, como a Fazenda Pessegueiro, em Mococa (SP).

Torra dos grãos de café. FOTO: Felipe Rau/Estadão

Com o retorno dos bons preços praticados pelo mercado, os produtores voltaram a olhar cuidadosamente para seus cafezais, replantando, reformando e introduzindo novas tecnologias para, enfim, aumentar a produção e produtividade. Mesmo assim, muitos começaram a se interessar pela possibilidade de empreenderem como microtorrefações. A partir desse momento, um verdadeiro boom de vendas de torradores de pequeno porte começou no Brasil. Os equipamentos de torra de café passaram a ser o novo sonho de consumo dos cafeicultores!

Hoje, o maior interesse em se conhecer a origem dos produtos que estão sendo consumidos cria a possibilidade de se manter um relacionamento direto com o produtor, que é fundamental para a construção de um mercado com maior transparência comercial.

Adquirir diretamente do produtor cria um virtuoso estímulo para que ele mantenha práticas para continuar a oferecer produtos com qualidade e, antes de tudo, autênticos.

Que tal conhecer alguns produtores que oferecem sua própria seleção de café torrados?

Michael, do Sítio Divino Espírito Santo, e seu minitorrador manual. FOTO: Ensei Neto/Arquivo Pessoal

 

● Sítio Divino Espírito Santo, em Piatã (BA)

Um inveterado fã dos antigos seriados japoneses Ultraman e Ultra Seven, Michael Freitas adquiriu no final dos anos 1990 um pequeno sítio nos altos da Serra da Tromba, na deslumbrante Chapada Diamantina, iniciando plantio de cafezais que fizeram história. Vencedor de concursos estaduais da Bahia e nacional pela ABIC, Michael sentiu-se estimulado a oferecer seus melhores lotes de cafés torrados diretamente aos consumidores a partir de 2007, chegando a torrar inacreditáveis 3 toneladas no seu pequeno torrador manual! De 11 hectares de cafezais saem sementes de variedades como Maragogipe, Bourbon e Pacamara. Você pode fazer pedidos dos cafés torrados pelo Michael na loja virtual cafegourmetpiata.com.br ou pelo e-mail: cafegourmetpiata@hotmail.com.

 

● Fazenda Yaguara, em Taquaritinga do Norte (PE)

Sob a batuta da Tatiana Peebles, um conjunto de excepcionais produtos artesanais – como bacon e pernil, mel e, é claro, café – são elaborados nessa propriedade que fica na região de planalto no interior do Pernambuco. Com uma lavoura da primitiva variedade Typica, desde 2010, Tatiana oferece o Café Yaguara num torrador Ambex que trouxe dos Estados Unidos. Você pode adquirir os cafés torrados pela loja do site yaguara.com.br ou pelo e-mail contato@yaguara.com.br.

 

● Fazenda Ninho da Água, em Alto Caparaó (MG)

Clayton Monteiro Barrosa fez um caminho reverso do seu pais, que haviaM saído da Serra do Caparaó para São Paulo para mudar de vida. De São Paulo para a Serra do Caparaó, nas proximidades do Pico da Bandeira, Clayton pratica cafeicultura sob cultivo agroecológico combinado, por exemplo, com a criação de gado. Vencedor de um concurso de qualidade de café do Estado de Minas Gerais, iniciou EM 2011 a torra artesanal de seus cafés de colheita seletiva de variedades como Catuaí Vermelho, Catuaí Amarelo e Bourbon Amarelo. Em breve, também serão oferecidos o Catucaí 2SL, o Catucaí 785 e o Pacamara. Os pedidos de café torrado podem ser feitos diretamente pela loja virtual cafeninhodaaguia.com.br ou pelo e-mail contato@cafeninhodaaguia.com.br.

 

● Sítio Boa Vista do Engano, em Caconde (SP)

Roberta Bazilli é de família de longo histórico na cafeicultura, com propriedade em Caconde. Roberta fez cursos de torra antes de iniciar essa operação, em 2006. Seu objetivo era levar uma seleção dos melhores lotes do sitio, que podem ser de variedades como Mundo Novo, Catuaí e Bourbon Amarelo. Para adquirir o Café Bazilli, utilize a loja virtual cafebazilli.com.br ou via e-mail cafebazilli@cafebazilli.com.br.

 

● Fazenda Venturim, São Domingos do Norte (ES)

Contrariando o jargão comum de que “conilon é café de segunda categoria”, a Família Venturim apostou que qualidade não tem cor, nem credo, muito menos espécie, vindo a se tornar especialistas na produção de excelente conilon. Desde processos como o de cereja descascada, quando a casca externa é retirada para a secagem das sementes, aos ousados exercícios de fermentação de linhagens e diferentes clones, decidir pela torra dos cafés foi uma conseqüência lógica. A microtorrefação iniciou sua operação em fevereiro de 2018 e Lucas Venturim, que é o mestre de torra da família, comemora o crescimento das vendas, apesar da resistência inicial, muito devido à falta de compreensão do mercado sobre o ainda desconhecido conilon. Para adquirir os cafés torrados, os pedidos podem ser feitos via a loja virtual fazendaventurim.com.br e pelo e-mail contato@fazendaventurim.com.br.

Tags:

Ficou com água na boca?