Paladar

Um café para dividir

Histórias e experiências sobre o café

Um jeito renovado de fazer compras

Conheça as vantagens de uma compra coletiva.

06 de maio de 2021 | 19h05 por Ensei Neto

A união faz a força.

Este é um ditado clássico e que tem sido aplicado em diversos segmentos da economia, pois uma venda em grande quantidade de um produto acaba determinando a diminuição de alguns custos, tornando-se um excelente negócio para o comprador.

O modelo de compra coletiva foi muito comum nos anos 1980, quando nosso país vivia um fenômeno econômico que as novas gerações desconhecem, que é a hiperinflação. Com os fracassos dos sucessivos planos econômicos que tinham o objetivo de estancar uma inflação que era chamada de galopante, tal era o tamanho das taxas, as pessoas começaram a adotar estratégias para fazer o dinheiro recebido esticar ao máximo até o próximo recebimento. Foi um tempo em que os preços das mercadorias variavam até duas vezes num dia!
Dentre as estratégias de, digamos, sobrevivência, a organização de grupos de compras se tornou uma excelente alternativa. Naquela época, eram raros os atacadistas no mercado, sendo que o acesso era restrito apenas aos donos de comércios. No entanto, algumas pessoas se organizaram e criaram grupos para comprar produtos como alimentos básicos e itens de higiene em grandes volumes, beneficiando-se dos melhores preços.
Com a estabilização da economia, a partir do final dos anos 1990, esse modelo de compra caiu no esquecimento.

Era agosto de 2018, quando alguns coffeelovers criaram um grupo no aplicativo Whatsapp, que recebeu o nome de Diário de um Coffee Lover.  O objetivo era criar um ponto de encontro de pessoas que se interessavam sobre tudo o que se relacionasse ao café, desde troca de experiências sobre o uso de utensílios de preparo e, também, de diferentes lotes de cafés adquiridos no mercado.

Rapidamente o grupo cresceu, passando a contar com pessoas de todo o Brasil, e os líderes começaram a perceber que estava se tornando complexo discutir, por exemplo, sobre métodos de preparo porque os cafés utilizados eram diferentes, levando a resultados que não se alinhavam.

A partir de discussões internas, chegou-se à conclusão que os resultados poderiam ser mais próximos se todos utilizassem o mesmo café, os mesmos utensílios e uma receita. Surgiu, assim, a primeira compra coletiva do grupo.
Apesar da despretensão, o grupo percebeu o grande poder que tinha em razão dos grandes volumes envolvidos nas compras por meio das excelentes condições comerciais que passaram a desfrutar em cada negócio. Um dos efeitos da compra coletiva foi o acesso proporcionado aos coffeelovers de regiões distantes dos grandes centros.

Atualmente, existem duas modalidades de grupos, sendo uma principal, que, além das compras coletivas, possui grande interação entre os participantes e oferece constante compartilhamento de conhecimento e experiências.
Com o tempo, criou-se a segunda modalidade, voltada exclusivamente para pessoas interessadas apenas nas compras coletivas. Pessoas que quiserem participar, devem se inscrever através de link na Bio do perfil no Instagram @diariodeumcoffeelover, onde as regras de participação são apresentadas.

Itens adquiridos em compra coletiva. Foto: Maycon Alves.

Entre as duas modalidades, segundo Maycon Alves, um dos coordenadores e responsável pelo processo comercial, são quase 500 participantes ativos, sendo que devem abrir um segundo grupo da modalidade exclusiva para compra coletiva.

Neste momento em que o mercado de café está passando por fortes ajustes em razão da pandemia, com o encurtamento das cadeias comerciais, a relação entre indústria e consumidor vem se tornando mais direta, de forma que a compra coletiva pode ser uma alternativa muito promissora.

 

MAIS CAFEÍNA

 

PARA GUARDAR OS GRÃOS DE CAFÉ
Para guardar um volume maior de seu café predileto ou um muito especial, algumas torrefações estão lançando potes para refil, como os já consagrados growlers dos cervejeiros. A Ovelha Negra, de São Paulo, conta com um resistente pote com tampa hermética, que pode ser adquirida com um conjunto de cafés.

Pote Hermético Cafezão. Foto: Ovelha Negra/Divulgação.

A King Cafés, de Goiânia, que tem o título de campeã da fase brasileira da competição internacional Desafio da Torra 2020, tem em linha uma bela lata de capacidade de 500g e pequenos potes para acondicionar até 100g, ideal para levar ao escritório ou numa viagem rápida.

Kit com frascos para refil 100g. Foto: King Café/Divulgação.

 

STAR WARS – DIA INTERNACIONAL
Aproveitando o “Dia Mundial de Star Wars”, a torrefação Martins Café lançou um conjunto com duas torras, uma Nórdica e outra Italiana, de um mesmo lote do original Amarelo de Botucatu, que deu origem à variedade Bourbon Amarelo, o que por si só vale experimentar.
Que tal comparar os resultados das duas torras, deixando de lado a briga entre o lado da Luz e o Negro da Força?

 

SERVIÇO

Ovelha Negra Torra e Cafés: www.ovelhanegracafes.com e (11)995 11- 762.

King Cafés: www.kingcafes.com.br e (62)991 257 447.

Martins Café: www.martinscafe.com e (11)4301-8848.

 

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?