Paladar

Luiz Américo Camargo

Eu só queria jantar

Cadências

05 maio 2010 | 00:21 por Luiz Américo Camargo

Coma devagar.
Não é o que ouvimos, desde que somos crianças? É de bom senso. Quando pequenos, tendemos a engolir – de fome, de pressa de fazer outras coisas. Adultos, muitas vezes incorremos no erro. Mas a regra funciona, para tudo, em todas as instâncias? Cada vez mais, acho que deveríamos rever tal conselho morador. Que tal um mais específico mastigue bem? Ou, mais vagamente falando, coma direito?

Experimente comer muito devagar um prato de massa fresca, pronta ali na hora. Ou mesmo um risoto. Tente apreciar, em bocados lentos e bem espaços, um pedaço de carne grelhada. Fique contemplando um sushi por longos intervalos… O que acontece?

A massa perde parte de seu encanto, passa do ponto. O risoto, tende a ficar empedrado. A carne? Se a gordura esfria, encontramos uma outra textura, e um outro sabor (bem menos agradáveis, garanto). Certo, aí alguém dirá que só falei de pratos quentíssimos. Não, tem o sushi: quando ele sai da mão do sushiman, já deve ser apanhado e abocanhado. Sob o risco de desmontar e perder o viço. Já aquela sopa fumegante, você pode, claro, sorver pelas beiradas, aos poucos

Não estou falando que se deve engolir a comida (os macrobióticos, presumo, devem estar horrorizados com este post), pelo contrário. Mas comer lentamente não significa, do ponto de vista gastronômico, saber comer melhor. É preciso não ter uma velocidade única para tudo.

Uma refeição exige ritmo. Tanto para quem serve, como para quem está diante do prato.

Ficou com água na boca?