Paladar

Luiz Américo Camargo

Eu só queria jantar

Cozinha do Brasil

29 julho 2010 | 06:22 por Luiz Américo Camargo

Ideias, sensações, experiências, tudo isso a  gente tenta descrever com palavras. Mas eu gostaria que, ao menos por um instante, a tecnologia dos blogs – este meu blog, mais precisamente – fosse capaz de transmitir ao leitor o imenso prazer de participar de um evento como o Paladar – Cozinha do Brasil.

Esta é a terceira edição do encontro. Na verdade, a quarta: em 2006, participaram só três cozinheiros, Mara Salles, Alex Atala e Edinho Engel, e as sementes surgiram ali. Mas como congresso de cozinha, com aulas e palestras abertas ao público, o PCdB se consolidou em 2008.

Este evento do Paladar não é nem se pretende ser como o Lo Mejor de La Gastronomia ou o Identità Golose. Mas tem, por outro lado, pretensões de originalidade, e não por simples vaidade, mas pela riqueza de informações com a qual lidamos. Se nos congressos mais badalados do mundo a proposta é reunir chefs da alta cozinha, especialmente os que trabalham com a vanguarda, o PCdB é bem mais heterogêneo. É do nosso ‘estatuto’ aproximar chefs, quituteiros, aficionados… profissionais com trabalhos e níveis de conhecimento muito diverso. Pois o mais importante, o objetivo maior, neste caso, é fomentar o interesse e a pesquisa dos sabores brasileiros.

Reunir toda essa turma, que vem de vários lugares do Brasil, é uma festa. Eles trazem em suas malas ingredientes de seus territórios, apresentam surpresas, inventam novidades. Da humilde cozinheira do interior ao chef famoso da metrópole, todos têm o que trocar. E essa grande reunião acaba se expressando na forma de workshops e degustações.

Investigar o ingrediente nacional sempre foi um dos pontos-chave do evento. Realizar um intercâmbio de informações sobre produtos, sobre suas prossibilidades de sabor, seus aspectos nutricionais, também sempre fez parte da pauta. Agora, entretanto, estamos indo além, trilhando a seguinte linha evolutiva ao longo desses três anos: 1) precisávamos conhecer novos ingredientes; 2) e aprender a lidar com eles, dissecando, entendendo seus limites, sua propriedades, errando e acertando; 3) e zelar pela qualidade dos produtos, discutindo denominações de origem e a necessidade de aprimorar os elos entre a terra e o mercado.

Neste ano, como se pode observar pela grade de atividades, vamos então explorar justamente a bem-vinda união entre produtores e chefs. E continuar a investigação sobre vegetais, carnes, peixes e outras matérias-primas que ainda têm muitos segredos a revelar. E propor o cotejo entre a tradição e as novas técnicas, não como mera oposição, mas como construção de novos conhecimentos.

Elocubrações e cabecismos à parte, o fato é que esta é uma celebração dos bons sabores do Brasil: podem conferir aqui. Amazônia, Cerrado, Litoral… os biomas brasileiros estão praticamente todos presentes, nas ideias e receitas dos cozinheiros. O trio co-fundador, Mara, Alex, Edinho, claro, estará lá. Ao lado de outros nomes consagrados, como Ana Soares, Helena Rizzo, e de novos participantes, como Thiago Castanho, José Barattino, Diego Badaró e muitos outros. E esse frescor perpassa também as degustações de bebidas nacionais (café, cachaça, vinho, cerveja), que estão mais instigantes do que nunca. Assim como as palestras, de cunho mais teórico – que podem até ser desprovidas de coisas para comer e beber. Mas que alimentam nossa criatividade.

No início, o PCdB chamava-se Laboratório Paladar. O nome pode ter mudado, mas o espírito continua o mesmo. É muito bom chegar a mais uma edição. Espero vê-los lá.

Paladar Cozinha do Brasil. No Grand Hyatt São Paulo, Av. das Nações Unidas, 13301, de 30/7 a 1/8. www.paladardobrasil.com.br 2838 3222.