Paladar

Luiz Américo Camargo

Eu só queria jantar

E para as festas?

06 dezembro 2013 | 00:37 por Luiz Américo Camargo

Em meu mais recente comentário semanal na Rádio Estadão (terças, 17h), lancei a proposição: vamos falar de ceia, de festas de fim de ano? Acho um bom assunto. Muita gente me pergunta: será que é melhor não inventar e atacar de tender e peru? Ou há margem para arriscar algo diferente? Minha sugestão aos ouvintes foi a seguinte. Em primeiro lugar, pensar que não há certo nem errado, e que vale, sim, ter clareza se a opção é pela tradição ou pela quebra do costume.

As ponderações, são aquelas que costumo fazer. Por exemplo: se você só faz peru uma vez por ano e, portanto, pratica muito pouco a receita, será que este tipo de assado é a melhor expressão da sua cozinha? Será que não vale apresentar aos convidados aquele que, de fato, se confirma como o seu prato de resistência? Na dúvida, então, eu recomendo: ensaie a receita agora, que seja neste fim de semana, para correr menos riscos de errá-la no dia 24 (ou na virada).

Mais uma: frutas secas, nozes, peru e afins são tradições do hemisfério norte, onde se celebra o natal a zero grau – o que combina. Do nosso lado, provavelmente, estaremos pelos trinta graus, ou mais. Sem xenofobia, pensando apenas na adequação: é isso que você quer? Ou vale propor, quem sabe, um belo peixe assado com farofa, uns pratos mais frios? A ver. Mas acho legal que, no mínimo, tenhamos espaço para pensar a respeito.

Combinei o seguinte com a rádio. Os ouvintes mandam suas dúvidas sobre o cardápio e a bebida das festas, e eu respondo. No que se refere a taças e garrafas, também repito aqui o que disse na terça-feira. Minha primeira dica é: baixe o ebook do Luiz Horta, o guia que ele acaba de lançar (só digital) trazendo uma infinidade de recomendações de vinho com ótima relação preço-qualidade. Talvez já haja ali um caminho para as festas.

Vamos ver no que dá. Reapareço na Rádio Estadão na terça. E comento aqui no blog.