Paladar

Ella. canta sotto voce (a preço justo)

Luiz Américo Camargo

Eu só queria jantar

Ella. canta sotto voce (a preço justo)

24 abril 2013 | 23:00 por Luiz Américo Camargo

Há certas tentações das quais um jornalista gastronômico precisa se proteger. Uma delas é a de encontrar um restaurante pequeno, numa rua tranquila, caprichado, barato, e não ser automaticamente simpático a ele, para além das competências gastronômicas. Outra, no caminho inverso, é ser absolutamente cético em relação ao mesmo tipo de estabelecimento: não seria história da carochinha? Crenças e descrenças à parte, o ainda novato Ella., aberto em Pinheiros, parece estar seguro de suas propostas. E chega perto do equilíbrio ao servir uma cozinha italiana simples, com boa apresentação e preços convidativos.

Quem comanda a casa é o chef/proprietário Alexandre Romano, ex-Aguzzo. Seu cardápio é inspirado em várias regiões da Itália, embora não se apegue a ortodoxias. Apresenta um repertório mais ou menos conhecido, mas sem descambar para os clichês. Suas entradas alinham opções como polenta com cogumelos e terrine de fígado de pato. Entre os pratos, massas, risotos, poucas carnes e peixes. A lista de sugestões cabe numa página, o que não é um demérito, pelo contrário – combina com a atmosfera despojada do Ella. e, cá entre nós, facilita a vida do comensal. Os preços, por sua vez, ficam por volta dos R$ 30 nos itens principais, mesmo patamar do menu de almoço, em três tempos.


Ella. Cozinha italiana simples, com atenção em preparo e ingredientes. FOTO: Felipe Rau/ESTADÃO

Fazendo uma síntese das visitas, eu diria que, mesmo cobrando cifras bastante camaradas, o chef Romano é atencioso na execução e com os ingredientes. Se há um reparo a fazer, é muito mais no sentido da sutileza por vezes excessiva. O que inclui até um uso tímido do sal. Vou dar exemplos mais concretos. A massa fresca é bem trabalhada pelo cozinheiro, que é atento aos cortes, ao acabamento, ao cozimento. Mas falta um certo corpo ao bigoli com ragu de pato. O agnolotti dal plin, por sua vez, carece de um recheio um pouco mais presente, pois tanto a pasta como o molho são bastante bons.

No que diz respeito às carnes, gostei da paleta de cordeiro assada a baixa temperatura, acompanhada por fragole (a massa miúda de semolina, feita com a técnica do risoto). E menos da costela bovina braseada (com purê de batata-doce), que, pela longa cocção, poderia estar mais tenra. As sobremesas, por fim, são bem construídas e também fogem do apelo fácil da exuberância. O cannolo é delicado, o tiramisù tem leveza, e talvez só valesse tirar um pouco do açúcar do risoto doce, uma vez que ele é servido com um já dulcíssimo creme de marrons.

Esperemos que o Ella. não suba os preços (nem mude de posicionamento) disfarçadamente, com o passar do tempo, como aconteceu com o próprio Aguzzo – uma casa que praticava patamares justos em 2006, mas, pouco a pouco, foi chegando mais perto de Gero e Parigi, suas principais referências. A impressão que dá é que isso não vai acontecer, pela própria natureza do restaurante. Mas eu é que não vou me meter a fazer esse tipo de previsão.

Por que este restaurante?
Porque é uma novidade de boa relação preço/qualidade.

Vale?
O menu executivo de almoço custa R$ 30. Uma refeição completa, sem vinho, fica entre R$ 60 e R$ 80. Vale.

SERVIÇO – ELLA.
R. Costa Carvalho, 138, Pinheiros
Tel.: 3034-1267 e 3031-7110
Horário de funcionamento: 12h/15h (sáb., 12h/16h; jantar de 5ª a sáb., 19h/23h. Fecha dom.)
Cc.: Elo, M e V
Estac. c/ manob.: R$ 20

>> Veja todas as notícias da edição do Paladar de 18/4/2013

Tags: