Paladar

Levain 2: 24 horas

Luiz Américo Camargo

Eu só queria jantar

Levain 2: 24 horas

10 março 2010 | 10:33 por Luiz Américo Camargo

levaindia1A

Não, não estou dizendo que esta é uma missão para Jack Bauer. É apenas o seguimento de nossa prosaica criação de um fermento natural. Bom, o que dizer destas primeiras 24 horas? Fiz um pequeno ajuste no meu: talvez eu tenha subestimado o calor ambiente, talvez tenha a ver com a absorção da água pela farinha. Mas o fato é que achei minha mistura um pouco mais seca do que deveria e, na madrugada (sim, eu dormi muito tarde), acrescentei mais uma colher de sopa de água.

Agora, pela manhã, notei algumas microbolhas, que provavelmente vocês não conseguirão ver pela foto. É uma espuma muito fininha, mas já o princípio de uma reação. É mais provável que hoje, no fim do dia, ou amanhã de manhã, já tenhamos uma atividade mais perceptível.

Porém, caso alguém aí more num lugar muito quente, ou numa região de leveduras selvagens (elas estão no ar, não esqueçamos) muito abundantes, e estiver identificando bolhas maiores, uma ‘espuma’ mais espessa, talvez seja hora de alimentar. Para tanto, adicione uma colher de sopa de farinha, duas de água, mexa bem, guarde no mesmo local. Mas só faça isso se o bicho estiver mesmo reagindo com força. Caso contrário, sigamos aqui, no ritmo.

Também estou ansioso. Afinal, estamos criando uma vida. Nem deveria confessar aqui, mas também me preocupo: vai que dá uma zica justamente quando me meto a fazer isso em público, e este pequeno ser não vinga? Sim, no mundo dos levains, imprevistos acontecem.

Falamos quem sabe à noite, ou amanhã de manhã. É preciso mesmo ter paciência. Mas mandem notícias.