Paladar

Luiz Américo Camargo

Eu só queria jantar

Logo ali, a 80 km

06 dezembro 2012 | 08:33 por Luiz Américo Camargo

Publicado no Paladar de 6/12/2012

Desta vez, a coluna foi um pouco mais longe. Não estou falando dos limites da capital. Mas sim de Valinhos, a pouco mais de 80 km de São Paulo. Viagem de uma hora, uma hora e meia, pela Via Anhanguera. Nada muito diferente do que se leva para cruzar alguns bairros da cidade numa sexta à noite. Mas o suficiente para transformar radicalmente paisagens, sotaques e atmosferas.

Instalado num casarão na chamada parte alta de Valinhos, o Laura e Francesco foi aberto há dez anos por Laura Bonaiuti, nascida em território croata e criada em Bolonha, e por seu filho Francesco. A inspiração da maior parte das receitas vem da Emilia Romagna, com atenção especial a massas frescas (embora haja várias opções com pasta asciuta) e carnes.

Na construção rústica, repleta de souvenirs, mapas e coleções de pratos da Boa Lembrança, o visitante é recebido em italiano, tanto por dona Laura como pela brigada de serviço. Às vezes, uma frase pode começar numa língua, terminar em outra… E, diante de tanta – e verborrágica – hospitalidade, você vai acabar pedindo inevitavelmente os carros-chefes do restaurante. Como o caramelle, massa recheada em forma de bala, com molho de creme, funghi e (um dispensável) óleo de trufa; o solari, feito com ricota e molho de tomate e raspas de limão; o tortelloni di zucca e amaretto; o tenro ossobuco, acompanhado por nhoque ou polenta.

Nas sobremesas, a cozinheira Laura também vai um pouco além do que se estabeleceu por aqui como o convencional na doçaria italiana. Serve tiramisù, é verdade, mas se dedica com desvelo a variações do semifreddo, feito à maneira clássica, com bastante creme – e com a textura que o diferencia de um sorvete. O de meringa (suspiro) e o gianduiotto são especialmente bons.

Há, obviamente, um certo clima folclórico em todo o programa. Porém, diferentemente da quase totalidade de quem vende o pitoresco como estilo de restauração, o Laura e Francesco entrega comida honesta. Suas massas não têm aparência refinada nem acabamento rigoroso. Mas têm equilíbrio, cozimento preciso e são potencializadas por molhos delicados. Uma cozinha de avó executada com padrão.

Pelo protocolo da casa, as reservas são essenciais. O que vale a pena inclusive para garantir uma das mesas do mezanino, de preferência perto da janela, onde a vista é muito bonita. Para quem sente um prazer quase mesquinho em não precisar pagar o valet, a boa notícia é que o estacionamento, bem ao lado, é cortesia da casa. Como nada é perfeito, o que se economiza de manobrista não paga o custo do pedágio: são R$ 32, somando ida e volta.

Por que este restaurante? Porque é um agradável restaurante italiano que chega aos 10 anos de vida. E uma boa dica fora – e põe fora nisso – do circuito mais badalado da cidade.
Vale? Os preços não diferem muito dos de São Paulo. A maioria dos pratos fica em torno de R$ 50 (as sobremesas variam entre R$ 13 e R$ 18). Mas o passeio é bom e o programa compensa.

Laura e Francesco – R. Martinho Leardine, 326, Valinhos, (19) 3849-6714. 19h30/23h30 (sáb., 12h30/15h30 e 19h30/23h30; dom., 12h30/15h30. Fecha de 2ª a 4ª). Cc.: D, M e V. Veja como chegar no site: ristorantelauraefrancesco.com.br.