Paladar

Luiz Américo Camargo

Eu só queria jantar

Meio doce, meio seco

15 julho 2014 | 15:39 por Luiz Américo Camargo

Eu sei que tem muita gente que faz isso (ainda tem…). Mas não deixo de me espantar a cada vez que topo com um personagem assim. Eu almoçava num restaurante e, na mesa ao lado, se sentou um senhor, acompanhado, provavelmente, por uma namorada ainda recente – dava para ver. Óculos escuros, cabelos glostorados (como dizia minha avó, que jamais assimilou o termo gel), relógio vistoso, voz tonitruante. Ele chamou o maître, que o conhecia pelo nome, e assim abriu a conversa: “o que se come hoje por aqui?”. “Ah, temos muitas coisas boas, eu estou com o cardápio aqui”, e entregou o menu, primeiro para a senhora. Deu tempo apenas de ela abrir a carta. Antes que ela fixasse os olhos em qualquer sugestão, o chamativo comensal arrancou o cardápio das mãos de sua companheira, pousou sobre a mesa e decretou: “sem cardápio hoje. Você fala o que tem”. O maître levou alguns segundos para recuperar o jogo de cintura, e começou tentando descobrir como andavam os apetites da dupla. “Vocês estão mais para massa, para um peixe…”. Não surtiu efeito. O funcionário precisou recitar vários pratos para, no fim, acontecer o seguinte. O senhorial visitante escolheu uma carne, mudou o acompanhamento, mudou o porcionamento, mudou quase tudo. A namorada nem abriu a boca, e o pedido foi definido. Obviamente, todo o resto do programa foi conduzido ao mesmo estilo, a escolha da cerveja, o copinho extra com suco de limão espremido… Foi tudo do jeito dele, o que não pude presenciar até o fim, pois logo paguei minha conta e saí. Mas o sujeito era uma tal figuraça que se tornava até divertido. A ponto de eu me lembrar desta cena de Le Grand Restaurant, comédia francesa dos anos 60, com o sensacional Louis de Funès (das Loucas Aventuras do Rabbi Jacob, vocês devem conhecer). Neste filme, ele é Monsieur Septime, dono de um luxuoso restaurante, e meio paranóico com o funcionamento do salão e da cozinha. Na sequência acima, que achei no Youtube, ele se disfarça de cliente chato para testar o serviço do Chez Septime. Pergunta ao sommelier sobre um vinho para acompanhar rabanetes. E sobre a possibilidade de um vinho “demi-doux”, em vez de “demi-sec”. E, por fim, questiona sobre as diferenças sobre as águas Evian e Perrier (não é impagável, e totalmente crível, o cara perguntar “como é a sua Evian?”). Na verdade, ele só queria algo pouco gasoso, pouco frisante… Que não fizesse “pa-pa-pa”, apenas “pu-pu-pu”…

Ficou com água na boca?