Paladar

Luiz Américo Camargo

Eu só queria jantar

Nossa língua

25 agosto 2010 | 00:54 por Luiz Américo Camargo

Não sei se é um estrategema. Ou apenas uma impossibilidade de comunicação. Mas tem vezes em que a gente não se entende com o serviço de um restaurante.

A cena:
Num bar recém-aberto da cidade, pedimos, entre outras coisas, uma bruschetta de alcachofra. O garçom, muito gentil e voluntarioso (de verdade), trouxe uma de abobrinha.
– Garçom, por favor. Esta bruschetta é de abobrinha.
– Isso, abobrinha, né?
– Mas nós pedimos de alcachofa.
– É, alcachofra, né?
– Mas lá na cozinha você pediu alcachofra ou abobrinha?
– Alcachofra. Trouxe a de abobrinha porque a de alcachofra demora, né? Tem que gratinar. Aí vocês vão comendo essa…
(Vários minutos depois, chegou a de alcachofra; não tinha nada de gratinado)

No mesmo bar, num outro momento:
Chega à mesa uma seleção de antepastos. Quem tinha pedido?
– Garçom, quem pediu estes antepastos?
– Pediu, né?
– Pediu quem? (Um dos ocupantes da mesa tinha ido ao banheiro; teria sido ele?) Alguém aqui da mesa pediu?
– Não, eu pedi, né? Para os senhores conhecerem.
(A seleção trazida, contudo, não tinha nada do que estávamos pensando em comer. Rogamos, então, para que a tábua fosse retirada. E aí, sim, escolhemos o que queríamos).

Por fim, na hora dos doces:
– Garçom, qual das sobremesas é feita aqui?
– A torta de ricota.
– E a pastiera di grano?
– É comprada.
– Então, por favor, pode trazer a torta de ricota.
(Porém, veio à mesa a pastiera).
– Garçom, esta aqui é a pastiera?
– Pastiera, né?
– Mas nós pedimos a torta de ricota.
– Ricota, né?
– Será que são as mesmas? Você não está confundindo?
(O rapaz disse que eram mesmo duas opções diferentes, que não estava chamando pastiera de torta de ricota. Ele foi à cozinha e, na volta, explicou que a de ricota tinha acabado).

E assim fomos até a hora de ir embora, mais trumbicando do que comunicando. Separados pela mesma língua, perdidos na tradução. A conta, felizmente, continha apenas o que comemos – e o que pedimos. Sobrevivemos, enfim.