Paladar

Luiz Américo Camargo

Eu só queria jantar

O prato está chegando…

28 outubro 2009 | 08:58 por Luiz Américo Camargo

Pelo ambiente moderno, à meia-luz, os garçons circulam com altivez e desenvoltura. Antes de colocar o prato à frente do cliente, fazem uma espécie de mesura e anunciam o nome da criação, chamando a atenção para detalhes que o cozinheiro julga importante ressaltar.

A noite vai avançando e mais pessoas vão aparecendo: elas entram e olham pelo salão, como se quisessem reconhecer alguém. Ou esperando ser reconhecidas.

Meus talheres são trocados, a mesa é devidamente preparada, há uma movimentação à minha volta. O sinal inequívoco de que vou ser servido: o funcionário coloca um pratarraz vazio à minha frente, uma peça de design arrojado. Outro garçom então se aproxima trazendo meu pedido – que acabou de ser liberado pelo chef. Com orgulho, o atendente declina o nome do prato e quase explica sua receita inteira. Coloca o maná no centro da mesa, faz outra mesura e se retira.

Ah, sim. O que eu havia pedido? Era só um croquete. Juro.

Ficou com água na boca?