Paladar

Luiz Horta

Pontuando em contraponto

11 março 2009 | 20:48 por Luiz Horta

Sou contra pontuações de vinhos.

Entendo o Parker, até defendo o Parker, eventualmente. Tenho o livro dele sobre Bordeaux, que consulto. E ele está assessorado por um dos maiores conhecedores de vinhos austro-germânicos, David Schildknecht. Mas a escala de 100 pontos dele é uma desgraça, uma infelicidade. Cria uma ilusão bestíssima, a de que é possível reduzir a confusão de sensações de um vinho a um número.

Mesmo assim, pontuo, numa escala complexa, de 20, mais para minha própria orientação quando releio o que anotei. E uso + e -, ou ++, ou +++ conforme critérios de minúcias de sutilezas.

Agora um amigo me sugere usar bemóis e sustenidos para nuançar estas notas. A ideia é divertida, quase irresístivel.

Se continuar pontuando aqui no Glupt! aparecerão umas notas do tipo F17 bemol.

Ficou com água na boca?