Paladar

Luiz Horta

Sauternes no ventilador

14 outubro 2009 | 22:27 por Luiz Horta

O assunto dos groupies de vinho é o processo de Michael Broadbent contra o livro “O vinho mais caro do mundo” (The Billionaire’s Vinegar). Quem não leu o (ótimo) livro, resumo: um famoso e generoso colecionador de vinhos muito raros, o alemão Hardy Rodenstock, vendeu garrafas extraordinárias em leilões. Entre elas algumas que teriam pertencido ao ex-presidente americano Thomas Jefferson. Não vou contar os detalhes, mas as garrafas eram falsas.
Broadbent alegou (e venceu na justiça) que não participou da fraude, apenas vendeu, como leiloeiro da Christie’s, o botim.
Ok Michael, tem razão. Eu admiro o Broadbent, tem um belo livro de consulta sobre vinhos, outro manual de degustação eficiente. Mas o que não dá para esconder é que ele bebeu algumas destas garrafas e avaliou-as como raras. Ou seja, tomou um falso Yquem adulterado, que fingia ser de 200 anos de idade e deu o aval que, sim, era vinho antigo maravilhosamente conservado. Na minha opinião Broadbent não foi desonesto, mas que bebeu açúcar com vinho passando por antiquíssimo Sauternes, não tem processo que altere. Saiu arranhado, sangrando, na sua reputação de grande avaliador de líquidos raros.

Ficou com água na boca?