Paladar

Luiz Horta

Sempre solene

01 maio 2009 | 13:40 por Luiz Horta

Toda vez que eu bebo um vinho dos López de Héredia riojanos acho que tenho obrigação de registrar o fato.

Não seria a minha eleição para levar para aquela famosa “ilha deserta” da hipótese (a revista Decanter perguntou isto aos bambambãs do vinho na sua última edição) mas estaria, com certeza, na minha lista de 10 vinhos favoritos. Ontem no jantar foi um Tondonia Reserva tinto, 1998. A sempre espetacular complexidade de aromas, com figos secos, terra molhada, umami, batata assada, couro, tabaco e todo o bosque, o campo, o morrinho e as adjacências, uma verdadeira natureza de Pisarro enfiada gargalo adentro. E na boca, man-oh-man! A acidez pérpetua, os taninos sutis, a fineza. É um vinho fora de moda, porque ele é a própria definição de um estilo.