Paladar

Luiz Horta

Vinho de 5a

23 julho 2009 | 21:30 por Luiz Horta

As semanas estão voando, quando acordei, o dinossauro ainda…não, não, isto é o menor conto do mundo, do guatemalteco Augusto Monterosso. No meu caso não tem dinossauro, tem a quinta e seu vinho.

Ontem, abri para um visita em casa um Loios, catado sem pensar no vão da escada que chamo adega. Era para ser um mero aperitivo, que não interferisse na conversa. Mas foi chamando a atenção e acabou virando assunto.

Vinho simpático, muito bem feito, como todos os de João Portugal Ramos, boa fruta madura, traço de madeira, corpo médio, acidez amável, taninos finos.

Lembro, anos atrás, um almoço com este finíssimo gentleman alentejano, o JPR e ele educadamente me corrigindo, “Aragonês, nem Tinta Roriz nem Tempranillo, a uva se chama Aragonês, os outros que a chamam diferente”.

Pois este vinho gostoso (e barato, menos de 40 reais) é um corte da dita cuja com Trincadeira e Castelão.

Ficou com água na boca?