Paladar

O Cachacier

Tudo sobre cachaça, por Mauricio Maia

A importância dos concursos internacionais para o crescimento da cachaça no exterior

Eventos são uma importante ferramenta para conquistar o reconhecimento do consumidor e abrir portas para os mercados nacionais e internacionais

15 abril 2018 | 20:07 por Mauricio Maia

Desde a antiguidade o ser humano tem o hábito de comparar e tentar eleger o melhor. Seja em beleza, potência, tamanho, riqueza, qualidade, sabor, etc. O Livro Guinness dos Recordes está aí a décadas para comprovar isso. Todos os dias pipocam listas, rankings e concursos. Miss Mundo, Copa do Mundo, 50 Best Restaurants, Ranking da Cúpula da Cachaça e, claro, quando falamos de destilados o “Spirits Selection by Concours Mondial de Bruxelles”.

Realizado ininterruptamente desde 2013, o Spirits Selection hoje é o mais reconhecido concurso mundial de destilados. Toda essa experiência e credibilidade permite aos consumidores uma escolha segura da qualidade da bebida e para os produtores cria um diferencial que garante ao produto medalhado um crescimento médio de mais de 30% em suas vendas.

 

Logo Spirits Selection 2018

Em agosto, o Spirits Selection acontecerá em Plovdiv, Bulgária. FOTO: Divulgação

 

Escolher um destilado entre as incontáveis opções disponíveis em uma prateleira ou balcão pode ser desafiador. Por outro lado, na perspectiva do produtor, obter destaque no ponto de venda é uma tarefa difícil, para dizer o mínimo.

A solução mais eficiente é aproveitar a experiência da avaliação profissional oferecida pelo “Concours Mondial de Bruxelles”. As medalhas conferidas às melhores amostras são inegavelmente um indicador de qualidade, permitindo uma escolha segura e confiável. Com somente um terço dos inscritos premiados, uma medalha do Spirits Selection é um certificado de excelência colocando o destilado na elite das bebidas mundiais.

Whiskies, cognacs, brandies, rums, vodkas, gins, tequilas, grappas, baijius, pisco… e, claro, cachaças são avaliados às cegas por um painel de juízes compostos pelos mais renomados profissionais do mercado mundial de bebidas. Jurados de mais de 24 países que ganham a vida com os destilados e vivem para os destilados 365 dias por ano. E a cachaça está no radar dos especialistas internacionais.

O compromisso primordial do “Spirits Selection by Concours Mondial de Bruxelles” é oferecer ao consumidor uma garantia: destacar a qualidade irrepreensível de vinhos e destilados produzido em todo o mundo, oferecendo uma experiência agradável e prazerosa ao degustar sua bebida, abrangendo todas as faixas de preços.

Desde 2013 o “Spirits Selection by Concours Mondial de Bruxelles” é um concurso itinerante, já percorreu países como Taiwan (2013), Brasil (2014), China (2015), México (2016) e Chile (2017). Em 2018, esta grande competição irá aterrissar em Plovdiv – Bulgária, de 21 a 23 de agosto. Tenho a honra e o prazer de fazer parte deste corpo de jurados desde 2014 – primeira e única vez que o concurso foi realizado no Brasil –  e, ano após ano procuro aprimorar meus conhecimentos e levar toda a qualidade de nossa cachaça para o mundo. Posso afirmar que é impossível a qualquer um de meus colegas de júri, de qualquer parte do globo, ficarem impassíveis diante de uma boa cachaça de alambique.

 

Thierry Heins

Thierry Heins – Diretor Técnico do Spirits Selection by Concours Mondial de Bruxelles. FOTO: Divulgação

 

Segundo Thierry Heins, Diretor Técnico do Spirits Selection, “…há quinze anos, era impossível encontrar na Europa as marcas disponíveis hoje, especialmente as cachaças armazenadas. A embalagem evoluiu, garrafas de cerveja e rótulos muito básicos foram substituídos por garrafas e embalagens bonitas e chamativas. É errado pensar que o consumo de cachaça se dá principalmente na forma de cocktails de frutas e caipirinha. Um dos pontos fortes da cachaça é que ela não possui um ritual preciso de consumo. Pode ser bebida pura, sob a forma de cocktails, como digestivo, acompanhada de uma refeição. Existem muitas oportunidades de consumo. Muitos consumidores europeus já provaram uma cachaça branca ou uma “caipi”, mas poucos sabem que há versões envelhecidas em uma infinidade de madeiras exóticas. Os produtores brasileiros devem comunicar essa especificidade aos consumidores internacionais. O consumidor de hoje não só compra um sabor, ele também compra uma história, ele quer saber a origem do produto e seu desenvolvimento. E há muito a dizer sobre a cachaça!”

 

EXTRA, EXTRA, EXTRA!

Uma notícia em primeira mão:  passo a ser o Embaixador para o Brasil do “Spirits Selection by Concours Mondial de Bruxelles” com a missão de levar aos produtores de cachaça toda a orientação para participar do mais renomado concurso internacional de destilados do planeta de forma efetiva e segura, e assim, carregando uma medalha no peito, abrir as portas do mercado, seja ele nacional ou internacional, graças a credibilidade e reputação deste certame. Ah, as inscrições para a etapa na Bulgária, em agosto, estão abertas!

Saúde!

Tags: