Paladar

O Cachacier

Tudo sobre cachaça, por Mauricio Maia

Como ler o rótulo de uma cachaça

Saiba o que significa cada informação estampada nas garrafas de cachaça (e quais são proibidas de estar ali)

11 outubro 2016 | 20:19 por Mauricio Maia

Basta uma observação mais atenta do rótulo para obter informações importantes que podem ajudar na hora de escolher qual cachaça apreciar – mencionei isso no último post , quando falei sobre os conceitos de cachaça envelhecida e armazenada. Aqui vão mais algumas dicas do que procurar nos rótulos e como interpretar esses dados.

Como a maioria das etapas de produção e características de uma cachaça, o rótulo também obedece a uma legislação que obriga as marcas a colocar em sua embalagem uma série de informações sobre o produto. Porém, muitas vezes, esses dados não são bem claros, carregados de jargões técnicos e linguagem “governamental”. Apesar disso, é relativamente fácil interpretar as informações uma vez acostumados ao linguajar das normas técnicas.

 

Ficou com água na boca?

O que procurar me um rótulo

As principais informações que você deve procurar em um rótulo. FOTO: Mauricio Maia/Acervo pessoal

As informações obrigatórias são (veja as legendas na foto):

1) a denominação do produto (cachaça);

2) a marca comercial;

3) a tipificação (ouro, prata, envelhecida, premium ou extra-premium);

4) o conteúdo, expresso na unidade correspondente de acordo com normas específicas (cachaças, por lei só podem ser envasados em garrafas de até 1 litro);

5) o nome do produtor ou fabricante, do estandardizador ou padronizador, do envasador ou engarrafador ou do importador + o endereço do estabelecimento de industrialização ou de importação (nesse caso, gosto de ver aonde a cachaça foi fabricada, mas pode servir para questões legais e de fiscalização);

6) o número do registro no Mapa (Ministério da Agricultura e do Abastecimento): isso é importante, pois assegura que o estabelecimento está regularizado e obedece às normas de boas práticas de produção, além de atestar que a cachaça passou por análises químicas e está dentro dos padrões estabelecidos por lei;

7) os ingredientes (normalmente: destilado do mosto fermentado da cana de açúcar), bem como a madeira do barril onde a cachaça é armazenada/envelhecida (costuma estar no rótulo frontal, mas não é obrigatório);

8) o prazo de validade (bebidas destiladas normalmente tem o prazo de validade indeterminado) + frase de advertência sobre conter ou não glúten + a expressão “Indústria Brasileira”, por extenso ou abreviada;

9) a graduação alcoólica, por extenso ou abreviada, expressa em porcentagem de volume alcoólico. Por definição, cachaça tem entre 38% e 48% de álcool (na foto acima é de 40% vol., normalmente esta informação é colocada na frente);

10) a identificação do lote ou da partida (que pode ser um número próprio do produtor, a data de fabricação ou de envase);

11) frase de advertência, quando bebida alcoólica, conforme estabelecido por Lei específica: “Proibido a venda para menores de 18 anos” e “Evite o consumo excessivo de álcool”.

Vale lembrar que, por lei, são considerados rótulos: a parte frontal ou rótulo propriamente dito, o contrarrótulo na parte de trás da garrafa, a gargalheira (etiqueta colada no pescoço da garrafa), a capsula de vedação ou lacre da tampa, e até a própria tampa.

Isso está determinado no Decreto 6.871 de 4 de junho de 2009, que regulamenta a Lei nº 8.918, de 14 de julho de 1994, que dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas. Seu artigo nº 18 da seção IV diz:

“Rótulo será qualquer identificação afixada ou gravada sobre o recipiente da bebida, de forma unitária ou desmembrada, ou na respectiva parte plana da cápsula ou outro material empregado na vedação do recipiente. ”

Além disso tudo, as letras devem possuir uma dimensão mínima e uma série de outros itens são proibidos de constarem no rótulo, como: a bandeira nacional, a expressão “artesanal”, qualquer frase ou imagem que leve o consumidor ao erro e a cidade que é produzida a não ser que ela seja um Indicação de Procedência reconhecida pelo INPI – semelhante ao DOC do vinho.

Bem, agora que você já sabe o que procurar, mãos à obra! E sempre que pedir uma cachaça em um bar ou restaurante, peça para ver a garrafa.

Saúde!

Tags: