Paladar

O Cachacier

Tudo sobre cachaça, por Mauricio Maia

Sua majestade, a caipirinha. Saiba tudo sobre a grande embaixadora da cachaça

A caipirinha já é um dos drinques mais famosos do mundo: conheça sua origem, sua receita oficial, o modo de preparo correto e as variações possíveis

23 novembro 2016 | 15:47 por Mauricio Maia

Para falar sobre caipirinha, o primeiro ponto que deve ficar claro é: ela é um patrimônio cultural do Brasil. Sua receita original é regida por lei. O Decreto nº 6.871, de 2009, capítulo VII, seção VI, artigo 68, § 5º determina que caipirinha é a bebida elaborada com cachaça, limão e açúcar, com graduação alcoólica de 15% a 36% em volume, a 20ºC, “facultada a adição de água para a padronização da graduação alcoólica e de aditivos”.

Além de ser regida por lei, a nossa caipirinha, desde 1994, faz parte da carta de drinques do IBA (International Bartenders Association), muito pelo esforço de talvez o maior bartender da atualidade, Derivan Ferreira de Souza, ou somente Mestre Derivan (não é chamado de “mestre” à toa). Isso significa que qualquer bartender do globo tem a obrigação de saber o que é uma caipirinha e conhecer seus ingredientes.

Definida a receita original, nossos bartenders usam a criatividade para “personalizar” o drinque que é o grande embaixador da cachaça. Usam “aditivos” como tônica, club soda, água de coco e até ervas amazônicas. Ou se valem da imensa gama de frutas que a flora brasileira nos oferece. No entanto, com outras frutas que não limão, o coquetel não pode, tecnicamente, ser chamado de caipirinha.

Mas o que não se pode é mexer na cachaça. Há inúmeras variações do coquetel com outros destilados, da vodca ao saquê. Nesses casos, não se pode chamar de caipirinha mesmo: a bebida ganha nomes que mantêm o “prefixo” ou “sufixo” do nome, como saquerinha (de saquê), caipirosca/caipivodca (de vodca) e caipiríssima (de rum).

SAO PAULO 30/05/2014 PALADAR / ESPECIAL DRINQUES COM CACHACA / Caipirinha preparada pelo bartender Zulu, do bar La Maison est Tombee. Producao Florise Oliveira. FOTO FERNANDO SCIARRA/ESTADAO

Caipirinha leva: cachaça, limão e açúcar. FOTO: Fernando Sciarra/Estadão

A origem da caipirinha é um tanto controversa. O meio acadêmico sugere que ela surgiu no interior de São Paulo, na cidade de Piracicaba, como uma alternativa ao tratamento ao surto de gripe espanhola que assolava o País.

Que ela surgiu no interior de São Paulo é fato, mas o problema desta versão é que o surto de gripe espanhola ocorreu no final de 1918, e nossa amada caipirinha já era conhecida desde o início da colonização, quando surgiram as garrafadas, que misturavam as beberagens de ervas e raízes indígenas com o álcool das bebidas destiladas já bem conhecidas dos portugueses.

As histórias que rondam sua origem são tão ricas, que até mesmo Jô Soares apresentou uma versão em seu romance O Xangô de Baker Street, onde nosso coquetel teria sido inventado pelo fiel escudeiro Mr. Watson para curar uma ressaca do seu mentor Sherlock Holmes, uma vez que achou que a cachaça pura seria muito forte.

Outro ponto é a forma de preparo. É muito comum vermos alguns bartenders “espancarem” o limão dentro de uma coqueteleira com a cachaça, o açúcar e o gelo. Fazendo um drinque “batido”. Mas deve ficar claro que a caipirinha é um drinque “montado”. Diretamente no copo, devemos macerar levemente o limão com o açúcar, acrescentar o gelo e, por último, despejar a dose de cachaça. Mexer levemente para misturar os sabores e “voilá”, temos uma clássica caipirinha, sem frescura e afetações – somente frescor, sem pirotecnia. Aqui a receita.

Seu sucesso deve-se ao equilíbrio entre seus sabores. Ela apresenta o que de mais desejado pode haver em termos de paladar: a acidez do limão, o doce do açúcar e o alcoólico da cachaça. Simplesmente perfeito!

O coquetel Santé Hop Fresh
Coquetel Santé Hop Fresh, do Santé Bar, que combina cachaça com cerveja. FOTO: Daniel Cancini/Divulgação

Agenda. Esta semana, está sendo realizada em São Paulo e no Rio de Janeiro a Cachaça Week, uma semana inteira dedicada à nossa branquinha, com diversos bares participando com drinques especiais criados com cachaça, além de diversas palestras e workshops gratuitos sobre os mais variados temas.

Visitar um dos bares participantes, assistir a um dos eventos e provar a criação da casa são boas oportunidades para conhecer um pouco mais de nossa cachaça, com informação de primeira qualidade, e se deliciar com os coquetéis pensados para encantar com seus aromas e sabores, combinando os mais diversos ingredientes, como vermutes, bitters e até cerveja – o Santé! Hop Fresh (foto acima), do Santé! Bar,  na Chácara Santo Antonio (SP), leva cerveja Invicta Boss Imperial India Pale Ale (de Ribeirão Preto/SP), cachaça Leblon Signature Merlet (de Patos de Minas/MG), Cointreau, e uma fatia de carambola. Dá água na boca. Se não estivesse escrevendo este texto nas primeiras horas da manhã juro que tomaria um! Confira a receita aqui.

Saúde!


SERVIÇO

Cachaça Week
De 21 a 27 de novembro em São Paulo e no Rio de Janeiro
Confira aqui os bares participantes e a programação dos eventos.

Santé! Bar – R. Fernandes Moreira, 384 – Chácara Santo Antonio – São Paulo/SP  – Tel.: (11) 3567-0569 – www.santebar.com.br

Tags:

Ficou com água na boca?