Paladar

Guia Descorchados 2015

24 março 2015 | 16:28 por Marcel Miwa

Por Guilherme Velloso e Marcel Miwa

Lançada esta semana, a edição 2015 do “Descorchados” consolida este conhecido guia de vinhos como o maior e mais completo da América do Sul, como comprovam suas mais de mil páginas e a grande novidade desta edição: a inclusão de um novo capítulo dedicado exclusivamente aos espumantes brasileiros. Criado há quase 20 anos pelo crítico chileno Patrício Tapia, o Descorchados já cobria, além obviamente dos vinhos de seu país de origem, também os argentinos e uruguaios. Mas, afora um primeiro ensaio, na edição publicada no Brasil em 2010, os vinhos brasileiros tinham ficado de fora. Incluir os espumantes, sem dúvida o que o país produz de melhor, pelo menos em grande escala, é um primeiro passo.

DIVULGAÇÃO

Ao anunciar alguns dos destaques da edição deste ano, o próprio Tapia fez questão de comentar a ironia de que o espumante escolhido por ele como o melhor da produção nacional seja feito por um enólogo…chileno. Trata-se do Cave Geisse Terroir Nature 2009, produzido em Pinto Bandeira, na serra gaúcha, por Mario Geisse, que em seu próprio país é responsável pelos vinhos da Casa Silva. Já os quatro melhores espumantes produzidos no Brasil pelo método Charmat, segundo o guia, mostram a versatilidade da produção nacional: dois são Prosecco, um é a base da uva Viognier e o quarto um Moscatel, hoje uma especialidade brasileira.

No mais, como sempre, o Descorchados reflete as preferências do autor. Ele não esconde, na apresentação, que um de seus objetivos é mostrar “o mais radical da cena de vinhos” dos países que cobre. E é isso que dá um sabor especial a este guia, pois permite descobrir produtores ainda pouco conhecidos e propostas enológicas surpreendentes, sem descuidar da missão essencial de ajudar o leitor/consumidor a fazer suas próprias escolhas diante das prateleiras de uma loja especializada ou de um supermercado, ou ao examinar a carta de vinhos de um restaurante. Assim, ao lado de nomes consagrados como Cousiño Macul (Lota 2009, Melhor Tinto chileno) e Catena Zapata (White Stones Chardonnay 2012, Melhor Branco argentino), o Descorchados 2015 traz surpresas como a escolha do Arneis 2014 da vinícola Viñedo de los Vientos, provavelmente o único vinho sul-americano feito com essa tradicional uva do Piemonte, como o Melhor Branco do Uruguai (o Melhor Tinto, sem surpresa, foi o Amat Tannat 2009, da vinícola Carrau, velho conhecido dos enófilos brasileiros).

Serviço: Guia Descorchados 2015
Editora: Inner
R$ 105,00

Ficou com água na boca?