Paladar

Malbec World Day 2014

17 abril 2014 | 18:09 por Marcel Miwa

Hoje é o dia internacional da Malbec. Embora comemorada em diversas datas ao longo do mês, hoje, dia 17 de abril, é considerado o aniversário da chegada da Malbec a Argentina. O presidente argentino Domingo Faustino Sarmiento lançou em 1853 um programa para diversificar a indústria de vinhos, com a fundação de uma escola de Agronomia e um campo para pesquisa das vinhas (Quinta Normal). Coube ao agrônomo francês Michel Pouget levar as primeiras mudas de Malbec e cultivá-las na Quinta Normal. Passados 161 anos, a variedade reina absoluta na Argentina, onde ocupa 31,71% da superfície de vinhedos, quase o dobro da variedade n°2 da Argentina, a Bonarda (17,42%).

Como se pode prever, agora vou recomendar um rótulo. Posso dizer que um de meus Malbecs favoritos custa menos de 20 reais. Infelizmente este preço é na origem (Mendoza), pois o vinho ainda não é importado para o Brasil (também não entendo por que). Se você está com viagem programada para lá, vale procurar pelo Familia Cecchin Malbec Sin Sulfito. Ao contrário dos Malbecões que disputam o campeonato de maior altitude de vinhedo, este Cecchin é produzido em Maipú, zona não tão reputada de Mendoza. O vinhedo mais parece um matagal, com as videiras camufladas entre outras espécies vegetais. Alberto Cecchin pratica a viticultura orgânica e defende que a biodiversidade no campo traz um equilíbrio natural para o vinhedo, por isso tanto “mato” entre as fileiras de videiras. Na vinificação, seus professores foram Jean-Pierre Amoreau (Château Le Puy em Bordeaux) e Emile Heredia (Domaine de Montrieux no Loire). São dois nomes de peso do mundo dos vinhos naturais (vinificação sem utilização de insumos comerciais). Ainda que soe radical, o vinho é bastante fácil de beber, com estrutura leve, fresco e floral. Que mais se pode pedir de um vinho nesta faixa de preço? Talvez seja atípico para quem está acostumado com a expressão concentrada da Malbec, repleta de frutas maduras e abaunilhadas, mas imagino que não seja nada difícil se acostumar com a versão de Cecchin.

FOTO: Divulgação