Paladar

Uma batata boa para cozinhar

Uma batata boa para cozinhar

11 março 2011 | 13:46 por Fernanda Yoneya

Variedades muito ricas em água não são indicadas para fritura, segundo pesquisador da Embrapa. CRÉDITO: LA PARILLA/DIVULGAÇÃO

Qualidade de prateleira e bom desempenho na cozinha. Há tempos que a pesquisa busca não só uma variedade produtiva no campo, e boa no preparo caseiro. Com esse foco, foi lançada recentemente uma cultivar de batata cujas características agradam tanto ao agricultor – bom rendimento na lavoura e resistência à requeima, principal doença fúngica da cultura – como ao consumidor – tem menos água (portanto, mais matéria seca) e é própria para ser consumida em saladas, cozida. De formato alongado, tem bom tamanho e casca clara.

Batizada de BRS Clara, a nova variedade foi desenvolvida por pesquisadores do Programa de Melhoramento Genético de Batata da Embrapa, que envolve três unidades: Embrapa Hortaliças, Embrapa Clima Temperado e o Escritório de Negócios da Embrapa Transferência de Tecnologia. “A cultivar é boa opção para produtores que importam sementes do vegetal, por falta de material genético de alta qualidade culinária. E também para o consumidor, que pode optar por uma batata com uma aptidão específica”, diz o pesquisador Arione Pereira, da Embrapa Clima Temperado, líder do programa de melhoramento genético da Embrapa.

Em 2007, a Embrapa já havia lançado a batata BRS Ana, própria para fritura. “A questão é que as variedades de batata mais utilizadas hoje têm alto teor de água e, por absorverem mais gordura, não são as mais indicadas para frituras”, explica Pereira. Segundo ele, a batata ágata, que tem muita água, é a mais plantada e a que se encontra em maior volume no mercado. “O processo é lento, mas a BRS Ana está sendo adotada para abastecer a indústria de batata frita congelada.”

Pelo cronograma do pesquisador, a BRS Clara está em fase de multiplicação de sementes, que devem começar a ser comercializadas no meio do ano. No início de 2012, o produto deve chegar ao consumidor. “O ciclo da nova cultivar é de 100 dias.”

Siga o Agrícola no Twitter.

Tags:

Ficou com água na boca?