Paladar

Camembert e Champagne

17 março 2008 | 15:05 por Jamil Chade

O queijo Camembert se dá muito bem com o Champagne e outros espumantes. Pode parecer surpreendente, mas tem sua lógica. Ao contrário do que se pensa, queijos e vinhos, principalmente tintos, nem sempre se dão bem. Na verdade, é grande o número de queijos que preferem os brancos, que não têm tanino, um fator que complica os casamentos. O tanino é aquele componente dos tintos que dá a impressão de amarrar boca e costuma brigar com o sal, que realça o amargor desse componente. Os queijos realmente fortes, como Pont L´Évêque, Livarot e Limburg e semelhantes costumam passar por cima dos tintos e brancos.

Recentemente, em Paris, li uma entrevita de Philippe Faure-Brac, um craque, eleito o melhor sommelier do mundo num concurso no qual fiz parte do júri de degustação. E ele disse que Champagne e Camembert se dão muito bem.A lógica é evidente. O Champagne não é agressivo e tem um a acidez que se acomoda com muitos queijos, inclusive alguns feitos com leite de cabra. A acidez do queijo deve bater com a acidez do vinho, o que explica também o célebre casamento dos queijos de cabra com o Sancerre e outros feitos com a Sauvignon Blanc.

Depois de ler a entrevista de Philippe, comprei uma garrafa de Champagne Piper Heidisieck e um Camembert comum, desses que são vendidos em todos os supermercados de Paris. Fiz a prova e constatei que o grande sommelier tinha toda razão. Os dois se completaram e não brigaram em nenhum momento.

Como estou fazendo um livro combinando receitas e vinhos, passei a estudar mais o assunto e constatei que Philippe não estava sozinho. Alguns escritores sugeriam a combinação como ousada e o livro Mets & Vins- L´Encyclopédie des Accords, do especialista Jacques Louis Delpal também recomendava a associação do Champagne com o Camembert, com o Brie e com outros queijos.

Em casa, fiz, então uma prova de espumante nacional com queijos do tipo Camembert e ficou evidente que a combinação é muito boa. Camembert nacional de primeira, da Serra das Antas e espumante Salton Ouro. Um belo casamento, com as duas partes se completando, sem criar arestas. De quebra, o vinho foi bem ainda com um brie da mesma origem, Serra das Antas.

Ficou com água na boca?