Paladar

Champagne

29 dezembro 2008 | 15:07 por Jamil Chade

O Champagne é um espumante resultado de uma segunda fermentação na própria garrafa de vinhos feitos com as uvas Pinot Noir, Pinot Meunier (tintas) e Chardonnay (branca) plantadas numa região de clima difícil e frio no Noroeste da França. Os demais são apenas espumantes, embora alguns sejam ótimos, melhores mesmo que muitos exemplares franceses.

Champagne, só da região da Champagne, que é bastante extensa e agora foi ampliada, passando a englobar mais 40 comunas. Um abalo no sacrossanto conceito francês de terroir, segundo o qual só determinadas zonas podem gerar determinados vinhos. Como vão ser os champagnes da nova zona periférica? Vamos ter de esperar alguns anos para saber.

Mesmo na região original, há muitos altos e baixos. Aqui ficamos com exemplares abaixo dos R$ 200, normalmente os produtos básicos de grandes casas. Esses exemplares não costumam ser datados uma vez que podem utilizar vinhos de vários anos. Como o clima da região é inclemente, os produtores “guardam” vinhos de bons anos para garantir a média nos anos mais fracos.

O Champagne costuma ser feito com um corte de vinhos de vários anos e de várias sub-regiões e vinhedos. A idéia básica é fazer um vinho com determinadas características que se repitam todos os anos, que sejam reconhecidas pelo consumidor.

Além dos quatro selecionados, deve se destacar a qualidade do Veuve Clicquot Ponsardin (R$ 163 na Jallas), no mesmo nível da Moët & Chandon. Um champagne mais encorpado, enquanto o Moët se mostrou mais leve e elegante, ideal para bebericar nas festas de fim de ano.

Drappier Carte d´Or Brut
Onde encontrar: Zahil. Telefone: 3071-2900.
Preço: R$ 147
Cotação: 92/100 pontos.

Provado para a coluna Tintos e Brancos do suplemento Paladar em Dezembro.
Um Champagne de primeira e com boa relação qualidade-preço. Ao mesmo tempo encorpado e fresco. Vai bem à mesa e ao aperitivo. Cor carregada, refletindo a sua composição dominada amplamente pela Pinot Noir. Segundo a literatura, 90% de Pinot Noir. Perlage generosa e duradoura. Bolinhas de gás delicadas e subindo em cordões regulares. Aroma muito gostoso e intenso, evocando levedos e algo cítrico. Aroma lembra o de padaria.Na boca, muito equilíbrio e classe. Bom corpo, mas também elegante. Acidez agradável, não muito marcante. Também evocações cítricas na boca. 12% de álcool.

Moët & Chandon Brut Imperial
Onde encontrar: Jallas. Telefone: 3842-9985.
Preço: R$ 152
Cotação: 90/100 pontos.

Provado para a coluna Tintos e Brancos do suplemento Paladar em Dezembro.

Um espumante gostoso, ligeiro, ótimo para bebericar a noite inteira. A Moët & Chandon é a maior produtora de Champagne e é impressionante a regularidade que consegue mesmo produzindo em enormes quantidades. Quanto mais jovem, melhor. Bem clarinho e com uma espuma muito abundante e duradoura. Os cordões subindo regulamente até o fim do copo. Aroma não muito intenso, evocando ao fundo as leveduras. Melhor na boca. Um vinho “limpo”, com ótima acidez, excitante, leve, elegante e que inspirava o próximo gole. Ligeiro, não encorpado e concentrado. Final gostoso, deixa a boca limpa. 12% de álcool.

Nicolas Feuillate Reserve Particulière
Onde encontrar: Empório Frei Caneca. Telefone: 3472-2082.
Preço: R$ 159,50
Cotação: 91/100 pontos.

Provado para a coluna Tintos e Brancos do suplemento Paladar em Dezembro.

Um vinho alegre, perfumado, fácil de beber e de gostar. Uma marca em ascensão, normalmente com preços atraentes.O empresário que dá nome ao vinho se associou à uma das maiores cooperativas da Champagne, que reúne perto de 4.000 membros. Este produto básico começou a impressionar muito bem pelo aroma intenso, evocando frutas como a maçã verde um toque de queimado, de frutas secas (amêndoas, nozes, etc). Bem clarinho e com bastante gás, que durou no copo. Continuou num ótimo nível na boca Vinho fresco, perfumado leve, bom para o aperitivo e que deixou sensação agradável e duradoura na boca. 12% de álcool.

Piper-Heidsieck Brut
Onde encontrar: Empório Frei Caneca. Telefone: 3472-2082.
Preço: 159,95
Cotação 93/100 pontos.

Provado para a coluna Tintos e Brancos do suplemento Paladar em Dezembro.

São quatro marcas com o nome Heidsieck. O Piper-Heidsieck vem ganhando muito prestígio nos últimos anos. Costuma ostentar relação custo-benefício atraente. Proporção considerável de Pinot Noir no corte (55%). Cor amarelo meio carregada e muito bonita. Bolinhas de gás muito numerosas e duradouras, dando uma impressão de cremosidade na boca. Aroma ótimo, intenso e, principalmente complexo. Evocações de padaria ao lado de aspectos minerais e de frutas secas, como nozes. Ótimo na boca, evocando as frutas secas. Bastante fresco e seco mesmo. Amplo, enche a boca. Ótimo retrogosto. 12% de álcool.