Paladar

Espumantes nacionais

19 dezembro 2007 | 14:24 por Jamil Chade

Sempre pensando nas festas de fim de ano, aqui vão mais quatro sugestões de espumantes que ficam numa faixa intermediária de preços, até R$ 50. Todos apareceram na coluna Tintos e Brancos dão suplemento Paladar, publicado às quintas-feiras no Estadão.

Dom Laurindo Reserva 2005
Onde encontrar: Le Tire Bouchon, R. Barão de Tatuí, 285, 3822-0515.
Preço: R$ 34
Cotação 85/100

Provado para a coluna Tintos e Brancos, publicada no suplemento Paladar em novembro de 2007.

A Dom Laurindo é uma empresa familiar de bom nível com plantações no Vale dos Vinhedos, a primeira denominação de origem do Brasil, que garante a origem, mas não a qualidade e nem faz exigências, não especifica os tipos e as uvas autorizadas, por exemplo. Mas já é um progresso. O Dom Laurindo é um espumante meio diferente, bem leve e aromático. Feito com um corte de Chardonnay com Riesling Itálico, que é bastante difundida no Sul e considerada muito boa para a elaboração de espumantes. Sistema de segunda fermentação na garrafa. Ele se destaca principalmente pelo perfume. Não é dos mais refrescantes, mas sim perfumado e com um retrogosto muito particular. Trata-se de um brut, mas não dá a impressão de ser dos mais secos. Um brut pode chegar até 15 gramas de açúcar por litro. 12% de álcool.

***

Chandon Brut Reserve
Onde encontrar: Empório Frei Caneca, Shopping Frei Caneca, 3472-2082
Preço: R$ 34,70
Cotação: 88/100

Provado para a coluna Tintos e Brancos, publicada no suplemento Paladar em novembro de 2007.

O espumante de base da Chandon, feito em grandes quantidades pelo sistema cgarmat, de segunda fermentação em grandes cubas com as uvas Chardonnay, Pinot Noir e Riesling Itálico. Altamente estável e confiável. Um espumante básico, que pode não ser grande, complexo, mas sim refrescante, ideal para beber com muito prazer ao aperitivo. Um vinho jovem, o que é mesmo muito bom. Ele não é datado, mas o código do lote dá a entender que foi engarrafado em julho de 2007. Cor amarela bem clarinha com reflexos esverdeados e espuma generosa. Bolinhas finas, que duravam no copo e subiam fazendo cordões regulares. Aroma limpo, gostoso, porém não dos mais potentes. Algo floral. Muito melhor na boca. Não encorpado, mas sim elegante, com ótima acidez, refrescante. Boa intensidade de sabor e cremoso na boca. Ligeiro e longo. Deixa sensação de frescor, de boca limpa. 11,8% de álcool.

***

Marson Método Tradicional
Onde encontrar: Televendas: 3717-3432.
Preço: R$ 34,70
Cotação: 87/100

Provado para a coluna Tintos e Brancos, publicada no suplemento Paladar em novembro de 2007.

A Marson é uma vinícola familiar caprichada, com vinhedos e instalações em Cotiporã, na Serra Gaúcha. Este espumante foi feito pelo método tradicional e utilizando as uvas de mais prestígio na Champagne: a branca Chardonnay e a tinta Pinot Noir. No rótulo a utilíssima informação de que foi expedido em 2005. Portanto, um espumante novo, confiável. Bem clarinho e com um agradável aroma de fermentação, de padaria e também evocações cítricas. Na boca, elegante, limpo, com boa cremosidade e equilibrado. Acidez agradável. O tipo de vinho que não é encorpado, mas sim refrescante, gostoso. Ideal para ser compartilhado com amigos num dia de calor. Ligeiro toque de amargor, que não chega a incomodar. Ao final deixa sensação gostosa e longa na boca. 12% de álcool.

***

Cave Geisse Brut 2004
Onde enconttrar: Empório Frei Caneca, Shopping Frei Caenca, 3472 2082
Preço: R$ 42
Cotação: 87/100

Provado para a coluna Tintos e Brancos, publicada no suplemento Paladar em novembro de 2007.

O chileno Mario Geisse pode ser considerado um especialista em espumantes. Ele também faz vinhos tranqüilos no Chile, na Casa Silva. Ele foi enólogo nos primeiros tempos da Chandon e depois estabeleceu sua vinícola nas terras frias de Faria Lemos, de onde saem alguns dos melhores espumantes do país, sempre muito em feitos. Utiliza apenas uvas de seus vinhedos. Um espumante com alguns anos. Pode parecer um pouco velho, mas está no auge da forma. Bastante espuma. Bolinhas pequenas, elegantes que duravam no copo. Aroma bom, com algo de fermentação e de também de frutas, notadamente cítricas. Continuou agradável na boca. Boa cremosidade na boca e acidez refrescante. Tem intensidade de sabor e muito frescor. Bom para bebericar. Gostoso de beber, sempre chamando o próximo gole. Deixa boca gostosa, fresca, com toques cítricos. 12,5% de álcool.

Ficou com água na boca?