Paladar

Meu bacalhau solitário

23 março 2007 | 01:53 por Jamil Chade

Eu quase que ia chamando de bacalhau do “dia-a-dia”, mas, diante do preço, achei que ia ficar esnobe demais. Em todo caso, é sempre mais barato em casa. Mas é um prato simples, que tem dia e hora na minha casa, costuma acontecer às quintas, depois que chego de uma cervejada com os amigos na sauna do Pinheiros.

Costumo sempre ter postas de bacalhau no congelador. Eu compro várias delas, dessalgo, envolvo em papel filme e deixo descansando no congelador. Também sempre tenho no congelador brócolis congelados.

Postas de 400 a 500 gramas, não exageradas, pois não se deve abusar da boa mesa à noite. Para dessalgar as postas bem espessas, 50 horas numa vasilha com bastante água na geladeira. Pele virada para baixo, evidentemente.

O ideal é trocar a água umas quatro ou cinco vezes por dia. Todo mundo falando em economizar água e eu recomendando o desperdício? Não é bem assim, pois a água do bacalhau pode ter outras utilidades. Recomendo a posição politicamente correta.

Na hora em que dá vontade de comer um bom bacalhau (normalmente na quinta à noite), primeiro escolho um bom vinho branco encorpado e coloco para gelar.

Na minha opinião, um branco encorpado, com toques de madeira, como um Rioja, entre os quais recomendo o Conde de Valdemar Fermentado em Barricas e também Chardonnays encorpados de várias procedências, entre as quais Chile e Argentina.

Escolhido o vinho, tiro a posta do bacalhau do congelador, disponho numa panela e cubro com leite. Deixo descansar um pouco e depois dou uma boa aferventada. Quando o leite abrir fervura, apago o fogo e deixo o bacalhau descansar um pouco.

Se quiser, deixe abrir fervura umas duas ou três vezes. Não é para cozinhar o bacalhau, mas sim para dar uma aferventada.

Retiro o bacalhau do leite e coloco numa vasilha de barro que pode ir ao forno. Espalho por cima muito azeite de oliva. Se quiser, pode dispor por cima algumas lascas de alho. Acendo o forno. Felizmente, o meu forno tem fonte de calor na parte de cima, que é ideal para gratinar.

Enquanto isso coloco água na parte de baixo da cuscuzeira para cozinhar dois ou três ovos (moderação é a palavra de ordem). Na parte de cima, disponho os brócolis.

Coordenando o tempo, coloco o bacalhau no forno e os brócolis para cozinhar no vapor da cuscuzeira. Quando o bacalhau começar a dourar no forno, escorro os ovos, retiro as cascas e coloco em um prato grande. Ao lado os brócolis cozidos, mas ainda durinhos.

O bacalhau deve ficar bem douradinho por cima. Retiro do forno disponho a posta ao lado dos brócolis e ovos e coloco por cima o azeite fervendo que ficou na cumbuca de barro.

Com o acompanhamento do vinho, costuma propiciar um bom fim de noite. Não dá para reclamar. Simples e dietético.

Boa receita e bom final de semana!

Ficou com água na boca?