Paladar

Roasted Beef

Roasted Beef

25 maio 2007 | 18:21 por Jamil Chade

Já se disse, mais do que maldosamente, que um dos livros mais finos do mundo teria o título “Maravilhas da cozinha inglesa”. Também se diz que se você gostar do clima da Inglaterra, vai gostar da cozinha. Nada mais injusto, pois há grandes pratos ingleses, entre os quais o roasted beef com Yorkshire pudding, que são maravilhosos.

O rosbife inglês, feito em peças monumentais, que alguns restaurantes tradicionais de Londres conservam quentes em carrinhos com fogareiros e cúpulas de prata que chegam às mesas, como os usados para servir os cozidos em casas chiques de São Paulo, como Cá d´Oro e Parigi.

O rosbife eu fiz num domingo, mas o Yorkshire pudding não deu muito certo. Vou tentar de novo.

Para fazer o roasted beef, comprei no Rubaiyat da Alameda Santos duas peças de uns quatro quilos cada de “master beef”, a R$ 35 o quilo. Em cada peça, quatro costelas. Peças grandes demais para o meu forno. Tive de dividir uma delas.

R3

Na foto, vocês vão ver um rosbife com quatro costelas e outro com mais duas. Isso porque eram muitos os convidados.

R1

Mas vamos pensar num “roasted beef” de uns quatro quilos, com quatro costelas, como o da peça maior da foto.

Há algum tempo, eu e os amigos Amarante e Marcelo comemos um delicioso rosbife num restaurante turístico em Toronto. Um restaurante situado numa torre e que ia girando para mostrar todos os ângulos da cidade. Dificilmente se come bem em restaurantes turísticos, mas o rosbife estava espetacular.

Fui conversar com o cozinheiro para tentar reproduzir em casa. Tratava-se de uma carne de Alberta, muito longamente maturada.

Mas ficou ótimo com o master beef com os ossos. Uma recita fácil, que só demandou paciência.

Primeiro, esquentei muito bem o forno. O meu fogão é bom, mas chega apenas a uns 210 graus. Isso é mais o menos o comum em bons fogões.

Esfreguei toda a peça com sal grosso. Na verdade, usei sal Maldon, que é espetacular. Coloquei sobre uma grelha numa assadeira e levei ao forno.

Fogo o mais forte possível durante meia hora, talvez um pouquinho mais.
Em seguida, baixei bem o fogo (entre 140 a 150 graus) e deixei assando por mais duas horas.

Ficou gostoso, bem malpassado. Quem não gostar de carne bem vermelha pode deixar um pouco mais no forno.

Depois de uns 10 minutos de descanso no forno apagado e com a porta aberta.

Mais uns cinco minutos de na temperatura ambiente e o assado foi à mesa.

Uma pena que o Yorkshire pudding não tenha ficado à altura, mas ficou ótimo com o arroz de alface (que darei a receita amanhã).

Ficou com água na boca?