Paladar

Só queijo

Aventuras lácteas entre o Brasil e a França

Queijo azul britannia, o stilton à la brasileira

Encontro entre um consultor da indústria queijeira brasileira e uma produtora de queijo artesanal rendeu mais um tom de azul para os queijos brasileiros

24 de maio de 2021 | 12h50 por Débora Pereira

Foi de surpresa que Carolina Vilhena, da queijaria artesanal BelaFazenda viu Múcio Furtado, um dos mais conhecidos consultores das indústrias de queijos brasileiras, estacionar sua moto Harley Davidson ao lado da queijaria dela em Bofete, interior de São Paulo, em meados de janeiro.

“Fiquei feliz com a surpresa, a gente sentou para provar todos os queijos e tomar café, conversa vai, conversa vem, começamos a falar do stilton, um queijo inglês bem próximo do cheddar, mas azul. Ele disse que gostava muito e não tinha nenhuma produção de stilton fiel ao inglês no Brasil. Eu disse, vamos marcar data para fazer!” contou Carolina.

Azul britannia, receita de Múcio Furtado feita pela Belafazenda. FOTO: Carolina Vilhena/Acervo Pessoal.

O queijeiro voltou um mês depois com a receita e os fermentos. “Durante esse tempo ele me orientou, comprei os canos de PVC para fazer as fôrmas, furei como ele mandou. Fazer queijos com amigos é realmente um grande prazer e ter aprendido essa receita foi um presente” disse Carolina.

O queijo demora dois dias para fazer e Múcio pernoitou na fazenda acompanhado do seu compadre Joca, da importadora de fermentos Sacco Brasil, e da Nancy, de outra empresa de fermentos, a Fermentec. “Foram momentos super gostosos, um encontro de gerações diferentes, os veteranos, a minha geração mais contemporânea, e os recém formados da escola Nata do Rio de Janeiro, os jovens ficaram super empolgados”.

Cunhas do azul britannia enviadas aos clientes para degustação. FOTO: Carolina Vilhena/Acervo Pessoal.

O resultado foi o azul britannia, batizado pelo Múcio. É o terceiro queijo azul da Belafazenda, que já tem na sua gama o azul de bofete, em formato de 250g e o duzu, também azul, mas mais suave a cremoso, inspirado no gorgonzola.

O novo tom de azul é uma peça cilíndrica de 8 kg com 30 cm de altura e 18 de diâmetro. “Fiz inicialmente dois lotes de seis peças, enviei cunhas do primeiro para todos os meus clientes, os comentários estão ótimos. A textura é densa, untuosa e cremosa na boca. Com veios azuis bem distribuídos, tem a presença leve do apimentado usual do queijo azul num primeiro momento e a doçura de creme de leite fresco e noz tostada num segundo momento. Persistência prolongada e satisfação garantida aos amantes dos queijos azuis” disse a queijeira.

Um queijo cheddarizado, com veios azuis bem distribuídos. FOTO: Carolina Vilhena/Acervo Pessoal.

As encomendas não param de chegar, mas agora é preciso esperar com paciência. O segundo lote só fica pronto no final de junho. “Temos tantos pedidos que resolvi começar a fazer toda semana um lote de seis peças” promete Carol.

Cada peça tem 8 kg e gasta mais de 80 litros de leite. FOTO: Carolina Vilhena/Acervo Pessoal.

A queijaria Belafazenda tem toda uma gama de queijos artesanais de diversas famílias, todos de leite de vaca Jersey: o bem brasil, curado e extra curado, e sua miniatura o benzinho; o sinueiro, queijo de massa dura de dupla fermentação, bem rústico e o soberano, uma massa prensada cozinha vendido meia cura ou curado.

Mofo azul em foco. FOTO: Carolina Vilhena/Acervo Pessoal.

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?