Paladar

Só queijo

Aventuras lácteas entre o Brasil e a França

Queijo minas made in Portugal

Laticínios portugueses resolveram usar a denominação para seduzir consumidores brasileiros que vivem fora de seu país; mas é permitido?

24 de abril de 2021 | 11h00 por Débora Pereira
“Tenho encontrado queijos em lojas que tem utilizado o nome ‘Queijo Minas de Portugal’, disse, indignada, Elcione Luciana, brasileira doutoranda em Patrimônios Alimentares; Culturas e Identidades na Universidade de Coimbra. Isto porque laticínios de Portugal resolveram usar o nome para seduzir consumidores brasileiros. “Inclusive alguns produtores são brasileiros mesmo, que vêm e produzem a receita aqui em Portugal, se apropriam da marca, sem considerar que este produto é um patrimônio alimentar de Minas Gerais e vinculado à nossa história e terroir.”

Queijo Minas de Portugal. FOTO: Facebook/Queijo Coalho de Portugal
É o caso dos baianos Cida e Roberto, sócios da queijaria Estrela do Sul, no município de Odemira, no Baixo Alentejo. Eles fabricam entre 700 e 900 queijos minas frescal por semana, com certificação HACCP, e ainda fazem queijo de coalho. O sucesso das vendas chamou a atenção da imprensa local, que publicou uma matéria sobre os brasileiros, que exportam para Itália, Alemanha, França e Espanha.
No Brasil, a marca “Queijo Artesanal de Minas” é um produto considerado patrimônio cultural pelo IPHAN, que escreveu um dossiê enorme descrevendo a geografia, clima, territórios, paisagens, modo de fazer e condições culturais e humanas. “Já que o produtor de queijo Minas deve obedecer diversos protocolos e legislações dentro do País para utilizar este nome, creio que seja importante proteger a marca mesmo em outros países. O uso da marca “Queijo Minas” em solo português para alcançar um público é uso ilegal da marca, que pode comprometer a própria imagem do produto aqui”, disse Elcione. “Mas por enquanto não temos notícia que autoridades façam algo para impedir isso.”
O queijo de coalho ainda não conseguiu ser Indicação Geográfica, embora o processo se arraste nas burocracias desde o ano 2000, portanto o termo não é protegido. Mas é inegável a tradição do coalho. A região da bacia leiteira de Pernambuco produz cerca de 2 milhões de litros de leite por dia. Cerca de 60 mil famílias produzem queijo de coalho na região. E ficou tão famoso que já é produzido na Europa.

Chumbo trocado

Morando na França desde 2011, já escutei diversas reclamações de franceses dizendo que os brasileiros usam indevidamente os nomes dos queijos europeus, os famosos “tipo camembert”, “tipo brie”, “tipo gorgonzola”… Eu defendo a pátria dizendo que os produtores artesanais brasileiros detestam isso, embora a indústria dos laticínios adore! O problema é que, de grandes a pequenos, todos são obrigados pelo Ministério da Agricultura a inserir no rótulo o tal “queijo tipo”. Foi o caso do Orvalho, queijinho de massa mole e casca florida récem-lançado pela queijaria Jeito de Mato, em Fernandópolis (SP).

Queijo orvalho. FOTO: Diego Trevizan/Acervo Pessoal

“O meu terroir é totalmente diferente do queijo brie, mas sigo a regra de colocar o “tipo brie”. Enfim, depois de toda a batalha que passei este último ano para certificar minha queijaria no SISP, para chegar na receita certa do queijo e conseguir o bom protocolo de cura, essa questão do rótulo acaba sendo o menor dos problemas”,  ponderou o produtor.
Medidas obrigatórias da etiqueta do queijo orvalho. FOTO: Diego Trevizan/Acervo Pessoal
Enquanto isso, em Portugal, Elcione gostaria de uma manifestação das instituições competentes. “Esta informação será importante para a minha tese a ser defendida no próximo ano”, disse.
A esperança para que esses nomes sejam protegidos é a assinatura do novo “velho” acordo entre Mercosul e União Europeia, que estava sendo discutido desde 1995 e os termos foram dos termos publicados em junho de 2019. Uma das regras é o respeito aos nomes de produtos que têm protegida sua identificação em seu país de origem. Mas, por enquanto, nada dos presidentes assinarem concordando. Cenas para o próximo capítulo…

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?