Paladar

Só queijo

Aventuras lácteas entre o Brasil e a França

Setembro de emoções queijeiras: curso de cura de queijos na França

Produtores brasileiros, premiados no mundial de queijos, aproveitam a viagem à França para aprofundar conhecimentos sobre maturação; confira

27 de setembro de 2021 | 09h20 por Débora Pereira

Foram tantos eventos queijeiros na França no mês de setembro, que ficou difícil até de parar para escrever este blog! Parece que tudo que as pessoas estavam esperando por 18 meses, desde o início d pandemia, resolveu acontecer em setembro. Começamos no Mundial do Queijo de Tours, com o sucesso das 57 medalhas para o Brasil.

Em seguida, no dia seguinte do fim do Mundial, aconteceu um curso prático de cura de queijos, para brasileiros, na escola francesa Mons Formation, que tem uma antena brasileira em parceria com a associação SerTãoBras.

Osvaldo Filho, de Alagoa, morgeando o queijo morbier. FOTO: Débora Pereira/Profissão Queijeira

 

Na classe, a paulista Heloisa Collins, da Capril do Bosque, Osvaldo Filho, do Queijo d’Alagoa, na Serra da Mantiqueira, e Johne de Castro e Larissa Ferreira, produtores da Serra da Canastra. Todos já chegaram no curso felizes por suas medalhas.

“As medalhas são um reconhecimento importante, deixa todo mundo feliz, mas não podemos deixar de buscar aprendizado”, disse Larissa, que começou a fazer queijos há dois anos, depois de buscar a receita com a avó, mineira de Piumhi, na região da Canastra.

Larissa Ferreira, do queijo Barão da Canastra, em formação prática de cura de queijo. FOTO: Débora Pereira/Profissão Queijeira

 

Para Johne de Castro, mineiro de Vargem Bonita, região da Canastra, “o ganho foi praticar a cura de outros tipos de queijos. Cresci fazendo canastra e não quero deixar de fazer nunca, mas isso não me impede de testar novas receitas. Temos que ficar atentos aos novos desejos dos consumidores”.

Johne em trabalho de cura do queijo de cabra sainte-maure de Touraine. FOTO: Débora Pereira/Profissão Queijeira

 

Heloisa disse que já perdeu a conta de quantos cursos fez em quase 40 anos de atividade queijeira: “formações são essenciais para me manter atualizada. O clima de aprendizado rejuvenesce, não posso nunca parar de aprender. Volto para o Brasil com novas ideias e, em breve, teremos novidades na nossa gama”.

 

Heloisa Collins posando com uma raclette de leite cru, que ela lavou com morge. FOTO: Débora Pereira/Profissão Queijeira

 

Foram quatro dias se deliciando na arte queijeira, entre cuidados de cura, exercícios de análise sensorial (muita gulodice), visita de produtores de leite e duas fabricações de queijos de denominação de origem protegida franceses.

Colocando a mão na massa do queijo Fourme de Montbrison. FOTO: Débora Pereira/Profissão Queijeira

 

Fabricação do queijo DOP fourme de Montbrison. FOTO: Débora Pereira/Profissão Queijeira

 

Visita do túnel de la Collonges, de cura de queijo. FOTO: Débora Pereira/Profissão Queijeira

 

O próximo curso prático de cura na França acontece em fevereiro de 2022, uma semana antes do Salão do Queijo de Paris e serão somente seis vagas. Para participar, é necessário fazer antes o curso teórico online, com inscrições em lista de espera aberta no site da associação SerTãoBras.

Tags:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?