Paladar

Bebida

Bebida

A cerveja do topo da lista

John Tagliabue

06 março 2013 | 23:12 por redacaopaladar

The New York Times

A fabulosa cerveja marrom tem sido produzida ali há 150 anos, com a mesma fórmula, pelos monges da abadia local St. Sixtus. A procura tem sido tão intensa que os interessados em comprar a bebida formam enormes filas de carro nas proximidades da abadia – quando o tempo está bom, as filas chegam a cinco quilômetros. E as vendas são controladas: apenas duas embalagens por pessoa, a US$ 27 cada uma.

O que torna a Westvleteren 12 ainda mais atraente é a recusa dos monges em ampliar a produção. Eles fazem 492 mil litros de cerveja por ano. Há 60 anos. Resultado, não se consegue comprar a cerveja fora da abadia nem prová-la nos pubs e restaurantes da cidade. Na vizinha Bruges, sim, é possível comprar uma garrafa de Westvleteren 12 por quase US$ 35. Provavelmente é cerveja revendida.

Ficou com água na boca?

De exportação, nem se fala. Somente uma vez, no ano passado, os monges venderam para os Estados Unidos, onde uma embalagem de seis garrafas custava US$ 85. Mas a venda foi feita só para financiar a reconstrução dos edifícios da abadia, concluída no fim do ano passado, que estavam em ruínas.

FOTO: Reprodução

A popularidade da Westvleteren 12 criou empregos, embora em número modesto. Seis laicos trabalham em St. Sixtus, cinco deles na cervejaria. E, além deles, há uma dezena no restaurante e na loja de souvenirs perto do portão da abadia.

Apesar de todo o sucesso da bebida que produzem, os 21 monges insistem em que são, acima de tudo, homens de Deus e não vendedores de cerveja. “Muitas pessoas se beneficiam” com o sucesso da Westvleteren 12, disse Mark Bode, um laico que produz cerveja na abadia há dez anos e atualmente é uma espécie de porta-voz. “A cerveja dá à aldeia o seu perfil.”

Tanto sucesso estimulou o aparecimento de uma outra microcervejaria na cidade, a De Struise – que produz a Pannepot, veja na degustação ao lado, além de uma boa stout. Ali, quem conduz o visitante ao depósito de tonéis é o próprio mestre cervejeiro, Urbain Coutteau. A De Struise passa por tonéis de carvalho previamente usados para envelhecer uísque americano no Kentucky e outros de regiões vinícolas da França, que agora são usados para armazenar cerveja. Diferentemente da produção da abadia, que não cresce, a da microcervejaria está aumentando.

/ tradução de Anna Capovilla

>> Veja todas as notícias da edição do Paladar de 7/3/2013

Ficou com água na boca?